Exército do Egito promete reprimir violência de manifestantes

Por fabiosaraiva
Cartaz com o rosto de Mursi fica preso em cerca | Khaled Abdullah/Arquivo/Reuters Cartaz com o rosto de Mursi fica preso em cerca | Khaled Abdullah/Arquivo/Reuters

Na véspera de dois grandes protestos, contra e a favor do golpe que derrubou o presidente egípcio, Mohamed Mursi, o Exército prometeu reagir contra os manifestantes que usarem a violência.

Os militares “não vão virar as armas contra o povo, mas vão fazê-lo contra a violência e o terrorismo”, afirmaram, em um comunicado divulgado no Facebook.

Há o temor de que as marchas de hoje se transformem em um confronto sangrento entre os membros da Irmandade Muçulmana (que apoiam o presidente deposto) e os liberais, favoráveis ao golpe.

Um oficial das Forças Armadas disse à Reuters que foi dado um ultimato, até sábado, para que os líderes da Irmandade se engajem no processo político. A fonte não explicou, porém, o que pode ocorrer caso os islâmicos se recusem.

Loading...
Revisa el siguiente artículo