Bolsonaro troca 'Renda Brasil' por 'Renda Cidadã' e pretende usar dinheiro do Fundeb

Programa de auxílio social substituiria Bolsa Família, com valor estimado entre R$ 200 e R$ 300

Por Metro Jornal

Nesta segunda-feira (28), no Palácio da Alvorada, o presidente da República anunciou um novo plano de programa social para substituir o atual Bolsa Família.

Após descartar o "Renda Brasil", proposta de Paulo Guedes que não chegou a sair do papel, Jair Bolsonaro batizou o novo projeto de "Renda Cidadã".

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

LEIA MAIS:
São Paulo já registrou 973,1 mil casos de covid-19; veja balanço de segunda
Inscrições para bolsas remanescentes do ProUni terminam quarta-feira

A intenção é utilizar recursos da educação básica, hoje concentrados no Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), e verbas reservadas para pagamento de precatórios.

Bolsonaro afirma que o novo programa deverá respeitar o limite de gastos para o Orçamento da União, e diz estar "buscando recursos com responsabilidade fiscal".

O Renda Cidadã será proposto pelo governo por meio de Proposta de Emenda Constitucional, e pode custar entre R$ 25 bilhões e R$ 30 bilhões a mais que o Bolsa Família. No entanto, o valor do benefício individual não terá grandes aumentos: segundo Márcio Bittar, senador do MDB e relator da PEC, o pagamento aos beneficiários será entre R$ 200 e R$ 300.

Sobre a retirada de fundos do Fundeb, Bittar justificou que cerca de 5% do valor do Renda Cidadã seria utilizado para "ajudar essas famílias que estarão no programa a manterem seus filhos na escola".

Loading...
Revisa el siguiente artículo