Países europeus cobram Mourão sobre desmatamento na Amazônia

Carta assinada por oito nações põe em cheque acordo comercial entre Mercosul e União Europeia

Por Metro Jornal com Estadão Conteúdo

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, é destinatário de uma carta aberta enviada por oito países europeus. No texto, as nações cobram maiores iniciativas para conter o desmatamento na Floresta Amazônica – causa que o general tomou para si neste ano. O documento é divulgado em um momento em que a política ambiental brasileira ameaça a viabilidade do acordo comercial da União Europeia com o Mercosul.

A carta é assinada pelos sete integrantes da Parceria das Declarações de Amsterdã (Alemanha, Dinamarca, França, Itália, Noruega, Holanda e Reino Unido), e também pela Bélgica. O grupo expressa preocupação com as "taxas alarmantes" da prática de desmate e queimadas no bioma. "Sem dúvidas, isso confirma a importância fundamental de garantir que os órgãos governamentais nacionais possuam a capacidade adequada para monitorar essas tendências e aplicar as devidas leis", destacam.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

LEIA MAIS:
São Paulo tem 290 mortes por covid-19 nas últimas 24h; veja balanço de quarta
MP do Paraná faz buscas em escritório de Ricardo Barros, líder de Bolsonaro na Câmara

Os oito países acrescentam que, no continente europeu, há um interesse da sociedade para que redes produtivas de alimentos tenham origem em bases sustentáveis. "Enquanto os esforços europeus buscam cadeias de suprimento não vinculadas ao desflorestamento, a atual tendência crescente de desflorestamento no Brasil está tornando cada vez mais difícil para empresas e investidores atender a seus critérios ambientais, sociais e de governança", ressaltam.

A carta salienta que, no passado, o País foi capaz de reduzir o desmatamento e expandir a produção agrícola ao mesmo tempo. "Os países que se reúnem através da Parceria das Declarações de Amsterdã contam com um compromisso político firme e renovado por parte do governo brasileiro para reduzir o desflorestamento e esperam que isso se reflita em ações reais imediatas", cobram.

O grupo ainda enfatiza que está disposto a abrir canais de diálogo com agentes dos mercados de commodities, entre eles produtores, negociantes e importadores, assim como legisladores povos indígenas e cientistas. "Isso também contribuirá para o estabelecimento de um setor agrícola próspero e saudável", conclui.

Conforme mostrou reportagem do Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), autoridades no Velho Continente acreditam que o pacto não conseguirá superar os trâmites burocráticos necessários se não houver um compromisso do Palácio do Planalto com a contenção do desmate na Amazônia.

Loading...
Revisa el siguiente artículo