Renda Brasil: Guedes nega que 'cartão vermelho' de Bolsonaro seria para ele

Por Metro Jornal

O ministro da Economia, Paulo Guedes, comentou o vídeo em que Jair Bolsonaro anuncia ter desistido da implantação do Renda Brasil no lugar do Bolsa Família, nesta terça-feira (15).

Em curta mensagem, o presidente afirmou que daria “cartão vermelho” a quem sugerisse cortes em salários de aposentados e auxílios para idosos e pobres com deficiência, como forma de financiar o programa de combate à pobreza e à desigualdade no Brasil.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

Veja também:
Jornal da Band apresenta série sobre os 70 anos da televisão brasileira
Unifesp vai dobrar voluntários de testes da vacina de Oxford

Guedes negou que o “cartão” seria direcionado a ele. "O linguajar, os termos do presidente são sempre muito intensos. Da mesma forma, que o lide da notícia dizia que estava tirando direitos dos mais pobres e vulneráveis, não era essa intenção, nunca foi", afirmou, dizendo que a intenção do presidente foi esclarecer.

O posicionamento de Bolsonaro nesta terça foi uma resposta à reportagens de jornais como “Folha de S.Paulo” e “O Estado de S. Paulo”, que apontaram estudos da equipe econômica para consolidar os R$ 300 mensais que o presidente queria pagar no Renda Brasil.

"Pode ser que alguém da equipe econômica tenha falado sobre esse assunto, mas jamais vamos congelar salários de aposentados, bem como jamais vamos fazer com que o auxílio para idosos e pobres com deficiência seja reduzido pra qualquer coisa que seja", afirmou o presidente.

Loading...
Revisa el siguiente artículo