Valor de rematrícula não deve ser reajustado, diz sindicato de escolas particulares

Por Lucas Herrero - Rádio Bandeirantes

Escolas particulares de São Paulo foram orientadas a não reajustarem o valor da rematrícula para 2021. O Sieeesp (Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de São Paulo) afirma que a sugestão pretende facilitar a situação dos pais que precisam reservar a vaga dos filhos no ano seguinte.

A partir de setembro, as escolas já costumam mandar o boleto com o valor ajustado. O novo preço das mensalidades, porém, deve ser definido em dezembro. Quem não concordar com as alterações, poderá receber o dinheiro da rematrícula de volta.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

Veja também:
Câmara de São Paulo aprova projeto que regulamenta o trabalho de entregadores
Plebiscito pode decidir futuro do Minhocão entre parque ou demolição

O sindicato diz está preocupado com a inflação dos próximos meses e entende que alterar os valores agora seria precipitado. "A orientação às escolas é que façam a rematrícula, mandem o preço atual e digam que até 15 de dezembro, última data para efetuar o valor da mensalidade escolar, será reavaliado. Estamos com muito medo dessa inflação que está vindo", afirmou o presidente do Sieeesp, Benjamin Ribeiro.

O empresário Paulo Henrique, da região de Campinas, recebeu a carta com a rematrícula no início do mês. Primeiro, tomou um susto, depois viu que o valor não foi reajustado. "Está um pouco difícil esse ano, devido a pandemia, já que caíram nossos rendimentos. Vou dividir o valor em quatro cheques e eles mantiveram o valor da mensalidade. Ficou bom pra todo mundo, tanto pra mim quanto para a escola. Vou conseguir manter os meus filhos estudando."

Diálogo e negociação

Uma recomendação é para que os colégios também abram negociação com os responsáveis dos alunos para parcelar a quantia estipulada no contrato. À Rádio Bandeirantes, o presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), José Pablo Cortes, afirma que a melhor saída é unir vários pais interessados para aumentar a força de negociação com a instituição.

"Um grupo maior tem melhor poder de negociação. A escola vê que, se eventualmente não ceder naquilo que é uma necessidade dos consumidores, pode perder uma parcela importante da clientela. O melhor movimento é o de diálogo", afirmou.

Loading...
Revisa el siguiente artículo