Polícia investiga corrupção em contratos de merendas e videoaulas durante pandemia

Por Metro Jornal com Agência Brasil

Operações policiais investigam, nesta quarta-feira (9), um suposto esquema criminoso para favorecimento de empresas contratadas para oferecer merenda escolar e produzir videoaulas durante a pandemia do novo coronavírus. Mandados de busca e apreensão estão sendo conduzidos nos Estados de São Paulo, Piauí e no Distrito Federal.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

As ações fazem parte das operações Self Service, iniciada hoje, e a operação Fames, já em sua segunda fase. Ambas são coordenadas pela Divisão Especial de Repressão à Corrupção da (Cecor), em parceria com o Ministério Público do Distrito Federal (MPDFT) e com a Controladoria-Geral da União (CGU).

LEIA MAIS:
Câmara adia reabertura do Conselho de Ética; entidade avaliaria Caso Flordelis
Inflação fica em 0,24% em agosto, puxada por alimentos e combustíveis

As buscas ocorrem em sedes de órgãos públicos, nas empresas envolvidas nas licitações suspeitas e em residências de servidores e ex-servidores.

No DF, investigações do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) e da Polícia Civil apontam para diversas práticas delituosas como um possível conluio de grandes empresários do ramo alimentício para fraudar licitações referentes à alimentação escolar.

Também está sob investigação o direcionamento do edital de licitação referente a denominada terceirização da merenda para empresas prédeterminadas, irregularidades na contratação de produção de videoaulas e ainda a alteração de parâmetros nutricionais de proteína, sem nenhuma justificativa, beneficiando diretamente os fornecedores.

Loading...
Revisa el siguiente artículo