Exploração de comunidades indígenas por empresas é 'novo colonialismo', diz Papa

Por Ansa

O papa Francisco fez, nesta terça-feira (1º), mais um apelo em defesa do meio ambiente. O pontífice afirmou que é preciso proteger as comunidades indígenas contra as ações de empresas, "particularmente as multinacionais".

A declaração está em uma mensagem do líder católico pelo Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação, celebrado pela Igreja em 1º de setembro.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

"É preciso proteger as comunidades indígenas de empresas, particularmente multinacionais, que, com a extração perniciosa de combustíveis fósseis, minerais, madeira e produtos agroindustriais, fazem nos países menos desenvolvidos aquilo que não podem fazer nos países que lhes dão o capital", escreveu Francisco.

De acordo com o Papa, essa "má conduta" das companhias representa um "novo tipo de colonialismo, que explora vergonhosamente comunidades e países mais pobres a braços com uma busca desesperada de desenvolvimento econômico".

"É necessário consolidar as legislações nacionais e internacionais, para que regulamentem as atividades das empresas extrativas e garantam o acesso à justiça aos prejudicados", disse.

Na mensagem, o Pontífice também cobrou respeito ao Acordo de Paris sobre o clima, que busca limitar o crescimento da temperatura média global a 1,5ºC acima dos níveis pré-industriais. De acordo com o líder católico, ir além disso se revelaria "catastrófico, sobretudo para as comunidades mais pobres em todo o mundo".

"Convido cada país a adotar metas nacionais mais ambiciosas para reduzir as emissões [de poluentes]", afirmou. Além disso, o Papa ressaltou que a "desintegração da biodiversidade, o aumento vertiginoso de catástrofes climáticas e o impacto desproporcionado que tem a pandemia atual sobre os mais pobres e frágeis são sinais de alarme perante a avidez desenfreada do consumo".

"Nossos estilos de vida forçam o planeta para além dos seus limites. A procura contínua de crescimento e o ciclo incessante da produção e do consumo estão a extenuar o ambiente", disse.

Loading...
Revisa el siguiente artículo