Bolsonaro sobre auxílio: 'R$ 300 é pouco, mas pra quem paga, é muito'

Por Metro Jornal com Estadão Conteúdo

O presidente Jair Bolsonaro falou em evento em Eldorado (SP), nesta quinta-feira (3), sobre o novo modelo de auxílio emergencial proposto por seu governo.

O ex-capitão afirma que, embora o valor reduzido à metade possa ser pouco para a população, o Brasil não pode aprofundar a dívida acumulada com o pagamento do auxílio.

"Eu sei que é pouco R$ 300, mas para quem paga, que é o Brasil, é muito. Não podemos continuar nos endividando quase R$ 50 bilhões por mês", declarou. O presidente mencionou que o auxílio beneficiou cerca de 38 milhões de brasileiros afetados pelos efeitos econômicos da pandemia da covid-19.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

LEIA MAIS:
Câmara pode enfraquecer Lei da Improbidade Administrativa
Professores de SP buscam Justiça para impedir volta às aulas em outubro

Bolsonaro ainda opinou que as medidas de combate ao novo coronavírus foram mais prejudiciais ao país do que a própria doença – que já afetou quase 4 milhões de brasileiros e tirou a vida de 123 mil deles.

"Os efeitos colaterais da forma como foi tratada essa questão serão muito mais graves do que a doença", disse. Ele fez ainda um apelo para que governadores e prefeitos "com a devida responsabilidade abram em definitivo o comércio".

O chefe de Estado repetiu ainda que o uso da hidroxicloroquina tem sido a única alternativa para tratar a doença. O medicamento não tem eficácia comprovada contra o vírus, mas na opinião do presidente "já se comprova pelo menos de forma observacional" que a medicação funciona.

O presidente esteve na cidade, onde passou boa parte de sua juventude, para a apresentação do projeto de uma ponte de acesso ao bairro Boa Esperança e ao quilombo São Pedro.

Loading...
Revisa el siguiente artículo