Justiça quebra sigilo telefônico de 31 PMs investigados por operação contra baile funk em Paraisópolis

Por Metro Jornal

A Justiça de São Paulo quebrou o sigilo telefônico de 31 policiais militares investigados pela operação que deixou nove mortos no baile da DZ7 em Paraisópolis, zona sul da capital paulista, em dezembro de 2019.

O laudo da perícia aponta que os nove jovens foram mortos asfixiados por pisoteamento nas vielas de Paraisópolis. A promotora Luciana André Jordão Dias, do 1º Tribunal do Júri de São Paulo, solicitou a quebra de sigilo dos policiais. Ela alega que reuniu provas suficientes para denunciar os PMs por homicídio doloso, quando há a intenção de matar.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

Veja também:
300 mil professores da educação infantil privada foram demitidos na pandemia
Passageiros reclamam de aumento na cobrança do Bilhete Único em São Paulo

Os policiais, no entanto, afirmam que uma perseguição se iniciou no baile após um motoqueiro atirar nos agentes. Eles afirmam que foram atacados pelos frequentadores da DZ7 com pedras e garrafas e tiveram que reagir com bombas de gás lacrimogêneo. Imagens gravadas na ocasião mostram policiais espancando jovens em becos da comunidade.

“Em primeiro lugar, [a PM] tem o dever de proteção, e se alguém chega e dá fuga em massa a cerca de 5 mil pessoas em vielas que só passam quatro pessoas, obviamente se antevê a possibilidade da morte daquelas pessoas pisoteadas ou asfixiadas porque elas não têm como sair por aquelas vias de acesso”, diz a promotora.

Se forem denunciados por homicídio doloso, os PMs vão a júri popular.

Loading...
Revisa el siguiente artículo