300 mil professores da educação infantil privada foram demitidos na pandemia

Por Gabrielle Guimarães - Rádio Bandeirantes

Cerca 300 mil professores da educação infantil de colégios privados foram demitidos durante a pandemia. Os dados da Fenep (Federação Nacional de Escolas Particulares) se referem aos profissionais que atendem as crianças de até 5 anos de idade.

Essas unidades de ensino concentraram mais de 70% dos desligamentos ocorridos nos últimos meses. Para o presidente da Fenep, Ademar Batista Pereira, a alta dos afastamentos se deve a quantidade de pais que decidiram cancelar as matrículas.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

Veja também:
Passageiros reclamam de aumento na cobrança do Bilhete Único em São Paulo
Projeto unifica alíquota do IPVA em São Paulo e mantém isenção apenas para PCD com veículo adaptado

Em entrevista à Rádio Bandeirantes, ele afirmou acreditar que será muito difícil recolocar todos esses profissionais no mercado ainda neste ano. “As escolas foram obrigadas a demitir professores e funcionários porque perderam muitos contratos. As escolas de educação infantil, por exemplo, perderam mais da metade dos contratos."

Coordenadora de ensino infantil de um colégio na zona norte de São Paulo, Simone Barroco, foi demitida recentemente. A professora diz já ter encontrado uma forma para driblar a crise. "Fiquei sem chão, quem é professor sabe que é muito difícil conseguir emprego no meio do ano, ainda mais em um momento em que os colégios estão fechados. Usei o tempo para fazer vários cursos e consegui me recolocar em um mês."

De acordo com a Fenep, cerca de 60% das instituições privadas de educação infantil deverão fechar as portas até o fim de 2020.

Loading...
Revisa el siguiente artículo