Renda Brasil: Augusto Heleno nega mal-estar entre Bolsonaro e Guedes

Por Rádio Bandeirantes

O ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general Augusto Heleno, negou que exista um mal-estar entre o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes. Em entrevista à Rádio Bandeirantes, o militar afirmou que seu colega no alto escalão do governo federal não deixará a pasta.

"(Guedes) já disse que só sai morto", afirmou aos apresentadores do Jornal Gente. Para o general, as críticas do presidente ao projeto do ministro da Economia para o Renda Brasil são uma demonstração de transparência. Na quarta-feira (26), Bolsonaro rejeitou publicamente o programa substituto do Bolsa Família.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

Veja também:
Bombeiros retomam nesta quinta buscas por vítimas de Brumadinho
‘Governo está reconhecendo desigualdades’, diz ministro sobre Renda Brasil

“O que foi comentado ontem (quarta) está sendo discutido. As pessoas não estão acostumadas a ter transparência nas coisas. Isso é um sinal de transparência. Não tem segredo. As coisas às vezes chocam pela transparência”, afirmou Heleno.

Para o general, Bolsonaro demonstrou “sensibilidade” ao dizer que não “tiraria do pobre para dar ao paupérrimo”. Ainda assim, é falsa a percepção de que o ambiente entre os dois tenha “azedado”, relatou o chefe do GSI. “O ambiente é absolutamente normal. Acho que vai terminar tudo bem. Eu não estou preocupado com isso.”

Teoria de golpe

Augusto Heleno disse ainda que tem “muita gente” que quer derrubar o governo e avisa que, “em nome do futuro do país”, é “bom tirar isso da cabeça”.

Na entrevista exclusiva à Rádio Bandeirantes, o general pregou “serenidade” como palavra de ordem na relação entre os Poderes. Ele lamentou a declaração de que o Brasil tem um “presidente que defende a tortura e a ditadura”, feita pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luis Roberto Barroso.

Sem se referir diretamente ao ministro do Supremo, o chefe do GSI disse que uma parte do país não aceita a eleição de Bolsonaro. “Não adianta uma parte do país querer derrubar o presidente da República. Essa pretensão é bom que seja abandonada em nome do futuro do país. Tem muita gente com isso na cabeça. É bom tirar isso da cabeça.”

Loading...
Revisa el siguiente artículo