Jornalista Washington Novaes morre aos 86 anos

Por Estadão Conteúdo

O jornalista Washington Novaes morreu na noite dessa segunda-feira, 24, em Aparecida de Goiânia (GO), aos 86 anos. Um dos pioneiros na cobertura de meio ambiente e povos indígenas no Brasil, Novaes não resistiu a complicações de uma cirurgia para a retirada de um tumor no intestino descoberto em março.

"Eu e meus irmãos ficamos órfãos de um pai extremamente generoso, mas acho que também muita gente fica órfã de uma referência para o jornalismo brasileiro, um pioneiro do jornalismo ambiental que trouxe para a grande comunicação as pautas ambiental e da defesa dos povos indígenas", disse ao Estadão o cineasta Pedro Novaes. "Espero que nesse momento trágico que a gente está vivendo em todos os sentidos – político, social, sanitário, ambiental e para os povos indígenas – que o exemplo dele possa, de alguma forma, guiar a gente um pouco nessa reconstrução do nosso País."

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

Veja também:
Ministro do TCU Vital do Rêgo é denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro
Justiça torna réu tio de menina de 10 anos estuprada no Espírito Santo

Novaes passou pelas principais redações do País, como O Estado de S. Paulo, Veja, Folha de S.Paulo e TV Globo, como editor do Jornal Nacional, Rede Bandeirantes e TV Cultura. O jornalista conquistou o Prêmio Esso Especial de Ecologia e Meio Ambiente, em 1992, por artigos sobre a Eco-92 publicados no Jornal do Brasil e a medalha de prata no festival de Cinema e TV de Nova York, em 1982, pela direção do documentário "Amazonas, a Pátria e a Água", veiculado pelo Globo Repórter.

Um dos trabalhos mais conhecidos do jornalista é a série documental "Xingu – A Terra Mágica", que venceu premiações em Cuba e na Coreia do Sul, sendo selecionado para a Sala especial da Bienal de Veneza em 1986. Pioneiro no pagamento de direitos de imagens aos indígenas brasileiros, Novaes foi responsável por produzir cenas que deslumbraram o País. Foram dois meses de gravação em 1984, quando desbravou costumes e ajudou a criar celebridades internacionais, como o cacique Raoni. Mais de duas décadas depois, em 2006, o jornalista voltou ao local e, testemunha de mudanças, filmou cenas e personagens que havia encontrado antes para o documentário "Xingu, a Terra Ameaçada".

Novaes teve uma breve passagem em cargo público – ocupou, entre 1991 e 1992, a Secretaria de Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia do Distrito Federal. Nascido em Vargem Grande do Sul (SP) em 3 de junho de 1934, Novaes morava em Goiânia. No Twitter, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), lamentou a morte: "perdemos uma referência no jornalismo ambiental", disse.

Loading...
Revisa el siguiente artículo