Vacinação contra covid-19 deve excluir quem já foi infectado, diz Dimas Covas

Segundo diretor do Instituto Butantan, campanha deve priorizar apenas pessoas que não contraíram a doença

Por Metro Jornal

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, comentou sobre uma possível exclusão de pessoas que já tiveram a covid-19 – doença causada pelo coronavírus Sars-CoV-2 – da campanha inicial de aplicação de uma possível vacina.

A possibilidade foi levantada durante ação de testagem na Brasilândia, zona norte de São Paulo, na manhã desta quarta-feira (19). “Os estudos clínicos que estamos fazendo são exatamente para responder a essas questões. Num primeiro momento, aqueles que não tiveram a infecção, e num segundo momento, aqueles que tiveram.”

A necessidade de vacinar posteriormente a população que já teve covid-19 é recomendada pelo desconhecimento sobre a doença. “Obviamente o indivíduo que já teve a infecção tem uma proteção natural, existe uma certa dúvida de isso é protetor, por quanto tempo, mas já existe essa proteção.”

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

Veja também:
Criança morre ao cair de quarto andar de prédio em Belo Horizonte
Bolsonaro veta distribuição de recursos a familiares para reposição de merenda

Fundação Renova - agosto 2020

Segundo Covas, o país deve continuar registrando novos casos de covid-19 após a virada do ano, quando se espera que a distribuição de doses tenha início. Para isso, é preciso que ao menos uma das diversas vacinas em testes tenham sua eficácia comprovada.

No Instituto Butantan, uma parceria com o laboratório privado chinês Sinovac Biotech avalia, na terceira fase, se a fórmula pode agir contra o coronavírus. Outras três pesquisas já foram autorizadas pela Anvisa para testes no país.

Caso seja aprovada, a duração e proporção da campanha de vacinação vai depender do número de doses disponíveis aos brasileiros. “Normalmente, uma campanha dura de três a quatro meses. Depende muito do quantitativo de vacinas que o Ministério da Saúde vai conseguir incorporar”, explicou Covas.

Loading...
Revisa el siguiente artículo