MP recebe 700 queixas por semana contra a Enel

Por Band

O Ministério Público busca acordo com a Enel depois de receber, em média, 700 reclamações por semana contra a empresa de distribuição de energia elétrica da Grande São Paulo. A Promotoria de Justiça do Consumidor de São Paulo abriu inquérito civil para apurar práticas abusivas.

O objetivo é parcelar automaticamente os débitos em aberto dos clientes e obter a devolução do dinheiro daqueles que pagaram a mais.

Com a interrupção do serviço de leitura em março por causa da pandemia do novo coronavírus, o consumidor recebeu a conta com o faturamento pela média.

No entanto, segundo a Enel, em geral, houve aumento no consumo e agora esse valor, que não foi cobrado antes, está sendo arrecadado.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

Fundação Renova - agosto 2020

Desde a semana passada, quando o atendimento presencial foi retomado, longas filas de clientes que pretendem questionar o alto valor das contas foram vistas nas lojas. Em entrevista à Rádio BandNews FM, o promotor Marcelo Orlando Mendes disse que o inquérito visa resolver tudo rapidamente, sem necessidade de ação judicial.

O Procon-SP já assinou um acordo com a Enel para parcelar automaticamente, em até 12 vezes, a conta de luz de todos que reclamarem ao órgão sobre os valores de julho.

A concessionária também não vai cortar a energia elétrica dos inadimplentes até o dia 31 deste mês.

O promotor Marcelo Orlando Mendes recomenda ao consumidor que já tinha parcelado as contas antes do acerto com o Procon a fazer uma nova queixa ao órgão.

As lojas da Enel passaram a atender com hora marcada para diminuir as filas. O agendamento deve ser feito no site eneldistribuicaosp.com.br. As agências de Santana, São Miguel, São Bernardo e Santo André tiveram horário de funcionamento ampliado. Elas atendem de segunda a sexta-feira, das 7h às 16h30, e aos sábados, das 9h às 15h.

Loading...
Revisa el siguiente artículo