Plano de fechamento de órgãos paulistas não deve impactar população, diz governo

Por Maira Di Giaimo - Rádio Bandeirantes

O governo de São Paulo garante que a proposta de fechamento de órgãos estaduais para o corte de gastos não vai impactar na prestação de serviços para a população.

No total, 10 empresas, fundações e autarquias poderão ser extintas no ano que vem, caso o projeto de lei de autoria do Executivo seja aprovado. Na lista estão a EMTU, a CDHU e as fundações Parque Zoológico e para o Remédio Popular.

O secretário de Planejamento, Mauro Ricardo, garante que a população não vai ficar desassistida. O objetivo da proposta é minimizar os impactos da pandemia do coronavírus sobre os cofres públicos.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

Veja também:
Campinas será a primeira cidade a ter testes para entrega de produtos com drone
Entenda mudança de critério para contabilizar mortes por covid-19

Fundação Renova - agosto 2020

O governo prevê uma recuperação econômica gradual e acredita que 2021 ainda vai terminar com um déficit de R$ 10 bilhões. O plano prevê a demissão voluntária de até 5.600 funcionários públicos que estão aposentados ou já preencheram os requisitos para isso.

Os desligamentos gerariam uma economia de R$ 50 milhões por mês; o impacto total do projeto seria de R$ 8,8 bilhões no ano que vem. O presidente do Sindicato dos Funcionários Públicos de São Paulo, Lineu Neves Mazano, diz, no entanto, que a proposta contribui para a desestruturação do Estado.

O plano do governo prevê ainda um ajuste fiscal que inclui o corte de 20% de todos os benefícios fiscais concedidos à setores da economia. O projeto tramita em urgência, a pedido do governador João Doria (PSDB),e será analisado por comissões antes de ser levado ao plenário da Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo), onde deverá passar por duas votações.

Loading...
Revisa el siguiente artículo