Instituto Butantan já reforma fábrica para produzir vacina CoronaVac

Por Metro Jornal com Band

As obras na fábrica do Instituto Butantan que vão possibilitar a produção da vacina CoronaVac, contra a covid-19, já estão em andamento. A Band visitou o local e acompanhou o trabalho dos funcionários do galpão de 7 mil m².

Foram arrecadados R$ 130 milhões da iniciativa privada para a reformulação da planta, com a instalação de ao menos 20 equipamentos modernos que fabricarão as doses, seguindo a fórmula do laboratório privado chinês Sinovac Biotech.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

Veja também:
Bolsonaro tenta ‘apagar incêndio’ após saídas na equipe de Guedes
Comércio varejista já retoma movimento do pré-pandemia

Fundação Renova - agosto 2020

A previsão, de acordo com o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, é que a fábrica comece a produzir a CoronaVac a partir do segundo semestre do ano que vem. Até 100 milhões de doses serão produzidas por ano. Bem antes da produção nacional começar, porém, o Brasil receberá vacinas fabricadas pela China – são esperadas 15 milhões até o fim do ano.

“Os estudos que nós já fizemos até aqui mostram que a incidência de efeitos colaterais é muito baixa, inferior à outras vacinas que também estão sendo testadas, então isso mostra que estamos no caminho de ter uma vacina muito promissora”, afirma Dimas Covas.

O governo de São Paulo espera, caso a vacina seja aprovada, começar a imunizar a população em janeiro de 2021. A fórmula segue na terceira etapa de testes em humanos e, caso seja comprovada sua eficácia, deverá ser aprovada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Segundo pesquisas realizadas na China, a indução de anticorpos ficou na casa dos 97% após a aplicação das duas doses nos voluntários.

Instituto Butantan - obras CoronaVac Maira Di Giaimo/Rádio Bandeirantes
Loading...
Revisa el siguiente artículo