Pazuello diz que 100 mil mortes 'não é só um número' e fala em apoio a isolamento

Por Estadão Conteúdo

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou nesta segunda-feira (10), que o País sofre com as mais de 100 mil mortes por covid-19 e que isso "não é (apenas) um número".

Em um discurso em que citou várias vezes um "esforço de guerra", Pazuello declarou que protocolos adotados no início da pandemia estavam errados e disse apoiar as medidas de isolamento adotadas por Estados e Municípios.

"Medidas preventivas, de afastamento social, são medidas de gestão dos Municípios e dos Estados, e nós apoiamos todas elas", afirmou, durante cerimônia de inauguração de um centro de testagem de amostras para coronavírus na sede da Fiocruz, em Manguinhos, na zona norte do Rio. "Quem sabe o que é necessário naquele momento (da pandemia) precisa de apoio, e nós apoiamos".

Veja também:
Médico corre 35 quilômetros para provar que máscara não prejudica respiração
São Paulo tem 628,4 mil casos de covid-19, com quase 25,2 mil mortes

Segundo Pazuello, quem sentir sintomas de covid-19 deve procurar as unidades de saúde imediatamente. "Nós estamos todos os dias revendo nossos protocolos, procurando o que tem de melhor e alterando o que não estava dando certo. Diagnóstico e testagem é a base do tratamento precoce", comentou. "Não está correto ficar em casa doente, com sintomas, até passar mal com falta de ar. Isso não funciona. Não funcionou, e deu no que deu. Nós há dois meses já mudamos esse protocolo."

Na sequência, o ministro interino da saúde comentou sobre a marca de mais de 100 mil vítimas da covid-19 no Brasil. "Todos os dias nós sofremos as perdas. Não é um número. Não é um número Não foi 95 mil, 98 mil, não foi 100 ou 101, que vai fazer a diferença. O que faz a diferença é cada um brasileiro que se perde", afirmou Pazuello.

Loading...
Revisa el siguiente artículo