Escolas estaduais de SP medirão rapidez de leitura dos alunos na volta às aulas

Por Metro Jornal com Estadão Conteúdo

Na retomada das aulas presenciais no Estado de São Paulo, alunos dos 2º, 3º e 6º anos receberão testes de fluência de leitura em toda a rede pública estadual. A avaliação testa a rapidez com que os alunos estão lendo a partir do número de palavras lidas por minuto.

A volta às aulas em São Paulo estão previstas para o dia 7 de outubro; algumas cidades com maior controle da pandemia poderão reabrir escolas já em 8 de setembro.

Leia mais:
São Paulo tem 628,4 mil casos de covid-19, com quase 25,2 mil mortes
Crianças mais novas têm alterações comportamentais durante pandemia

Este formato de avaliação já é adotado em algumas redes de ensino brasileiras, e está ligado ao método fônico (que enfatiza os sons das letras) de alfabetização. Em Sobral, no Ceará, o teste é feito desde o 1º ano do Ensino Fundamental, e o nível de rapidez esperado é de 60 palavras por minuto.

A medição de fluência leitora será feita, segundo o secretário estadual de Educação de São Paulo, por meio de uma gravação da leitura em voz alta de cada aluno. O texto a ser lido incluirá até palavras que não existem, "para ver a junção do fonema com as letras e o sentido".

O secretário Rossieli Soares afirma que o uso do teste não significa a adoção única do método fônico de alfabetização: "O professor tem de usar várias metodologias dependendo do perfil do aluno para que ele possa avançar", afirma.

Escolas municipais
Na rede municipal, não estão previstas avaliações de fluência na leitura. "Nós não praticamos esse teste até porque ele é baseado em outra concepção de alfabetização. A gente compreende a capacidade de produzir textos ou ler de forma fluente através de outras atividades. É no dia a dia da sala de aula que a criança vai mostrando a capacidade de ler de forma fluente", diz a secretária adjunta da Secretaria Municipal de Educação, Minea Paschoaleto Fratelli.

Nas escolas municipais de São Paulo, a meta é alfabetizar crianças até o fim do 2º ano do ensino fundamental (7 anos), mas a secretária entende que, com o isolamento social imposto pela pandemia, em alguns casos o processo de alfabetização possa ser concluído no 3º ano do fundamental.

Loading...
Revisa el siguiente artículo