Câmara deve votar nesta quarta projeto sobre retomada do ensino municipal em São Paulo

Por Metro Jornal com Rádio Bandeirantes

Os vereadores de São Paulo devem votar nesta quarta-feira (29), em primeiro turno, o projeto que estipula regras para a volta às aulas no ensino municipal. A proposta da prefeitura para a retomada das atividades presenciais está nas pautas da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) e do plenário da Casa.

O assunto foi discutido em audiência pública na terça-feira (28) e, para vereadores da oposição e entidades de ensino, o retorno deve ocorrer apenas no ano que vem. O projeto de Lei apresentado pela gestão Bruno Covas (PSDB) propõe, entre outras medidas, a aprovação automática de todos os alunos da rede municipal, além de aulas extras de recuperação em horários alternativos – saiba mais abaixo.

Um dos pontos mais criticados do projeto é o que permite a contratação de escolas particulares para alunos da educação infantil. De acordo com a Secretaria da Educação, há mais de 5 mil pedidos de pré-matrícula, mas 98% das vagas já estão preenchidas.

Veja também:
Dois terços dos deputados da Alesp gastaram mais da verba de gabinete neste ano
Apresentador Rodrigo Rodrigues será velado nesta quarta no Rio

Principais pontos apresentados pela prefeitura:

• Aprovação automática
Nenhum estudante de qualquer série será reprovado em 2020 em função dos impactos da pandemia. O currículo escolar será refeito para a conclusão em 2021. Os alunos que estão nos anos finais concluirão os ciclos ainda em 2020.

• Compra de vaga
O texto autoriza que a prefeitura compre vagas de pré-escola na rede privada para suprir a demanda formada pelos alunos que deixaram a rede particular por conta da crise.

• Reforço
Prevê aulas extras de “recuperação das aprendizagens” para os alunos de todas as séries, que poderão ocorrer fora do turno regular do estudante.

• Integral
Autoriza a implementação do Programa São Paulo Integral, que amplia o tempo de permanência do aluno na escola, seja por adesão ou por indicação da Secretaria Municipal de Educação.

• Pessoal
Permite que a prefeitura contrate professores e funcionários em caráter emergencial para suprir a ausência dos que se afastaram por conta da pandemia.

Quatro itens que devem ser revistos, segundo relatório da Procuradoria da Casa:

• A criação de benefícios permanentes – proibidos de serem criados em ano eleitoral;
• Credenciamento de instituições particulares de ensino para repasse de verbas públicas, considerado inconstitucional pelo MP-SP (Ministério Público de São Paulo);
• Aplicação irregular de um voucher para alunos da educação infantil;
• Falta de previsão de impacto financeiro, no contexto da Lei de Responsabilidade Fiscal, por não ser um projeto com caráter de urgência.

Loading...
Revisa el siguiente artículo