30 mil estão sem água na periferia do Guarujá

Por band.com.br

Em meio a pandemia do coronavírus, quando é ainda mais necessário se higienizar, três bairros pobres do Guarujá, no litoral de São Paulo, estão sem água há pelo menos 15 dias. As informações são do Lucas Jozino, da Rádio Bandeirantes.

Cerca de 30 mil pessoas moram em Morrinhos, Santo Antônio e Maré Mansa e estão com as torneiras vazias desde o começo do mês.

LEIA MAIS:
Dólar se fortalece, tem elevação e vai a R$ 5,17 nesta quarta
Brasil bate novo recorde com 72 mil infecções por covid-19 num dia; veja balanço

Cobranças continuam
A falta d’água começou em abril, mas não era frequente, a cada dois ou três dias havia o abastecimento – o problema intensificou em julho. Em contrapartida, as cobranças por parte da Sabesp continuam – as cartas com as contas foram entregues normalmente nas casas.

A auxiliar Aline Xavier mora há 12 anos no bairro de Maré Mansa e pagou R$ 120 pela água de junho, ela conta que há tempos não sofria pela falta d’água: “Estamos pagando a mesma coisa, o mesmo valor, e a água que é bom… nada! O dia inteiro sem água. Isso é inaceitável”.

Caminhões-pipas e técnicos da Sabesp
De acordo com o superintendente da Sabesp na Baixada Santista, Raul Christiano, a falta de chuva é o motivo para a falta de água nas casas. "A estiagem começou em março, diferente dos outros anos. Isso afeta demais o abastecimento", conta.

Raul Christiano também informou que 21 caminhões-pipa estão à disposição para as famílias que estão sem água – técnicos da Sabesp serão enviados aos bairros com mais registros de problema para tentar solucionar.

O prefeito Valter Suman afirmou que o município está cobrando a Sabesp desde o começo do ano e que há uma investigação em vigor no Ministério Público sobre os atendimentos da empresa na cidade.

Loading...
Revisa el siguiente artículo