Dois terços dos deputados da Alesp gastaram mais da verba de gabinete neste ano

Por Caio Pussi - Rádio Bandeirantes

Um levantamento da Rádio Bandeirantes indica que 62 deputados estaduais de São Paulo tiveram mais gastos com a verba de gabinete nos cinco primeiros meses deste ano. O benefício inclui o custeio, por exemplo, de combustível dos carros oficiais, serviços e moradia para quem não é da capital.

No total, a Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo) tem 94 parlamentares – ou seja, praticamente dois terços aumentaram seus gastos. De janeiro a maio, eles utilizaram R$ 7,6 milhões da verba – no mesmo período do ano passado, foram R$ 7,125 milhões.

O deputado com mais gastos no período analisado neste ano foi Ênio Tatto (PT), com R$ 165 mil. O político, que é o primeiro-secretário da Mesa Diretora, destinou R$ 48 mil a serviços gráficos e mais de R$ 36 mil ao pagamento de técnicos profissionais.

"Eu estou dentro do limite que posso gastar e são despesas que eu tenho para tocar meu mandato. Principalmente na comunicação, onde eu gasto mais, a gente faz muito material para distribuir em casas, na rua, pontos de ônibus e metrô. No mais, são despesas normais", justifica o petista.

Veja também:
Operação mira esquema de tráfico internacional de armas de fogo em oito estados
Um ano após massacre em presídio, facções seguem disputando domínio na região Norte

Na outra ponta do ranking, Arthur do Val (Patriota) não usou o dinheiro da verba de gabinete no período do levantamento. "A orientação é: fique em casa, não gaste gasolina e não ponha seus funcionários para ter contato com os outros. Como eles conseguem gastar tanto? Acho que é imoral gastar dinheiro do pagador de impostos no meio da maior crise que a gente já viu", disse.

Já Edmir Chedid (DEM) gastou nos 5 primeiros meses mais do que o dobro do que usou no mesmo período do ano passado: foram R$ 43 mil em 2019 e R$ 100 mil neste ano. Segundo ele, apesar da pandemia, as atividades parlamentares foram mantidas. "Eu e a minha equipe não estamos parados, estamos trabalhando. Todos os cursos são aprovados por um setor competente que avalia e aprova quando é algo que está dentro dos parâmetros."

Para o presidente da ONG Contas Abertas, Gil Castelo Branco, os políticos deveriam segurar os gastos ainda mais neste momento. "Praticamente a metade da população brasileira está sobrevivendo às custas de auxílios emergenciais fornecidos pelo governo. Era de se esperar que os parlamentares ao menos contivessem despesas relacionadas ao seu mandato. O legislativo não pode ser uma ilha de prosperidade em um mar de dificuldades por que passa o povo."

Os deputados estaduais de São Paulo estão participando de sessões online desde março – todas as atividades presenciais estão suspensas. Em nota, o comando da Alesp disse que cada parlamentar é responsável por administrar as despesas da verba de gabinete. O texto afirma ainda que nos últimos dois anos a Alesp bateu recordes históricos de devolução de economia do orçamento aos cofres do Estado.

Loading...
Revisa el siguiente artículo