Estudante negra da UFJF é selecionada para estudar cinema em Cuba

Por Metro Jornal

Jovem, negra, ativista e brasileira, Renata Dorea, que atualmente é estudante de cinema da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), foi selecionada para estudar TV e Novas Mídias na Escuela Internacional de Cine y Televisión (EICTV), localizada em Cuba.

A escola é reconhecida como uma das mais importantes do mundo e seu processo seletivo é complexo e envolve cerca de cinco fases. “O Brasil tem um histórico de aprovar muitos estudantes, mas não temos bolsas”, explica a estudante.

Este é um dos problemas que muitos estudantes de baixa renda enfrentam para estudar no exterior. Sem o apoio do governo brasileiro ou da família, muitos precisam buscar sozinhos alternativas para não desistirem dos seus sonhos.

Como é o caso de Renata Dorea. Ela teve que recorrer a um projeto de vaquinha online para conseguir custear sua mudança e o primeiro ano do curso. A estudante explica que sua família passa por uma situação financeira complicada e, por isso, uma das opções foi buscar a solidariedade.

Como é artista, Renata está oferecendo recompensas para quem ajudá-la na sua vaquinha. Cada valor doado para o seu sonho é recompensado como uma produção dela, que vai desde ilustrações, aulas até pinturas.

View this post on Instagram

Vivendo do Amor – bell hooks @bellhooks_ Ilustração inspirada em #yemanja E #oxala , o encontro das águas com o ar, a beleza do mar revirado por um novo amor. O amor cura. Nossa recuperação está no ato e na arte de amar. Meu trecho favorito do Evangelho segundo São João é o que diz: “Aquele que não ama ainda está morto”. Por: Bell Hooks – Tradução de Maísa Mendonça "Muitas mulheres negras sentem que em suas vidas existe pouco ou nenhum amor. Essa é uma de nossas verdades privadas que raramente é discutida em público. Essa realidade é tão dolorosa que as mulheres negras raramente falam abertamente sobre isso. Não tem sido simples para as pessoas negras desse país entenderem o que é amar. M. Scott Peck define o amor como “a vontade de se expandir para possibilitar o nosso próprio crescimento ou o crescimento de outra pessoa”, sugerindo que o amor é ao mesmo tempo “uma intenção e uma ação”. Expressamos amor através da união do sentimento e da ação. Se considerarmos a experiência do povo negro a partir dessa definição, é possível entender porque historicamente muitos se sentiram frustrados como amantes. O sistema escravocrata e as divisões raciais criaram condições muito difíceis para que os negros nutrissem seu crescimento espiritual. Falo de condições difíceis, não impossíveis. Mas precisamos reconhecer que a opressão e a exploração distorcem e impedem nossa capacidade de amar." Leia completo em : https://www.geledes.org.br/vivendo-de-amor/ Via: @portalgeledes _ _ _ #axé #ase #umbanda #yemanja #art #digitalart #vidasnegrasimportam #blacklivesmatter #africa #amorpreto #contemporanyart #art #love #blacklivesmatter #amorpretocura #obatala #diaspora #ocean #mar #zine #hq #dreads #amorpreto

A post shared by DOREA (@renatadore) on

“Estou procurando fórmulas para não desistir desse sonho porque é tão difícil a gente encontrar um motivo para estar neste mundo e realmente batalhar e seguir acreditando. Cuba será uma abertura de caminhos na minha vida e eu não vou só. Levo comigo todas as mulheres negras que me inspiraram e me fortaleceram”, comenta.

Loading...
Revisa el siguiente artículo