Anvisa exige prescrição e retenção de receita para remédios usados contra covid-19

Não há estudos científicos que comprovem a eficácia de hidroxicloroquina, cloroquina, nitazoxanida e ivermectina para tratar a doença

Por Metro Jornal

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) mudou as regras para a compra de medicamentos divulgados como possíveis tratamentos para a covid-19. O objetivo é impedir a compra indiscriminada dos remédios, que são usados no tratamento de outras doenças, como malária, artrite e infecções parasitárias.

Agora, além da hidroxicloroquina, cloroquina e nitazoxanida, a ivermectina também só poderá ser comprada com prescrição médica e retenção de receita. Isso significa que, para adquirir um desses medicamentos, é preciso apresentar o documento médico em duas vias – uma delas ficará no estabelecimento.

Veja também:
IRPF 2020: Liberada a consulta ao 3º lote de restituição do Imposto de Renda
Justiça libera regime domiciliar para grande traficante internacional de drogas

As prescrições devem ter validade de no máximo 30 dias e, após a emissão, só poderão ser utilizadas uma vez. A medida está publicada na edição de quarta-feira (22) do DOU (Diário Oficial da União).

Segundo a Anvisa, a lista pode ser revista para inclusão de outros remédios. Apesar da ampla divulgação, não há estudos científicos que comprovem a eficácia de hidroxicloroquina, cloroquina, nitazoxanida e ivermectina no combate à covid-19. A medida visa, também, manter os estoques destinados aos pacientes que já têm indicação médica para uso desses produtos.

Loading...
Revisa el siguiente artículo