Academias têm procura inferior a 50% do esperado após reabertura em São Paulo

Por Lucas Herrero - Rádio Bandeirantes

As academias da cidade de São Paulo registram procura inferior a 50% do planejado pelo setor para as duas primeiras semanas de reabertura. Desde a segunda-feira retrasada, dia 13 de julho, os estabelecimentos estão funcionando seis horas por dia com 30% da capacidade e o resultado é frustrante, segundo a Acad (Associação Brasileira de Academias).

Os donos das redes comerciais esperavam recuperar pelo menos um quarto do público pré-pandemia, mas dificilmente o movimento chega a metade dessa meta que já é baixa. Mesmo assim, filas e mais filas se formam nas entradas das academias. O diretor da Acad, Richard Bilton, afirma que uma das causas é justamente a limitação a apenas seis horas de abertura.

"Quando você reduz o horário drasticamente para menos de um terço do que você tinha, todo mundo tenta ir naquelas poucas horas. E para dar vazão a isso, realmente precisa ter a fila do lado de fora. Olha, isso não acontecia nem nos tempos normais. Essa restrição num período tão curto está ocasionando isso. Essa seria a primeira coisa resolvida com o horário de atendimento estendido, ou seja, normal", disse Bilton.

Ele ainda aponta que não há motivo para limitar o horário, sendo que já existe a restrição de apenas um aluno a cada 8 m², além das regras de distanciamento, agendamento, higienização e proibição do uso de chuveiros.

Veja também:
Deputado que presenteará parlamentares com anéis nega ‘compra de votos’
Anvisa exige prescrição e retenção de receita para remédios usados contra covid-19

Mudanças

Por isso, a Acad busca um entendimento da prefeitura de São Paulo através de conversas com o presidente da Câmara Municipal, Eduardo Tuma, e pretende marcar uma reunião com o governo do Estado nos próximos dias para discutir uma mudança nas restrições de horário.

O diretor da Associação Brasileira de Academias, Richard Bilton, cita o exemplo de Manaus, capital do Amazonas. Por lá, não há tantas restrições e cerca de 70% do movimento já teria sido retomado.

Nova rotina

Mesmo com todos os problemas e receios, tem aluno completando duas semanas de treinamento. É o caso do gerente de tecnologia Marco Aurélio Garcia que conversou com o produtor Guilherme Oliveira sobre a nova experiência.

"É diferente, né? Treinar de máscara, ter que seguir todas as orientações de saúde, mas está melhor do que ter que ficar sem treinar. [Treino aeróbico] estou fazendo metade do tempo que eu conseguia fazer antigamente por causa da máscara", contou Garcia.

Também na Vila Leopoldina, zona oeste de São Paulo, o empresário Renzo Valadares ressalta que alguns hábitos mudaram, como o revezamento de equipamentos, que hoje não ocorre, e a limpeza dos aparelhos. " O normal era sempre limpar na saída do equipamento. Agora é limpar na entrada e na saída. Então, reforçando mais o cuidado e toda essa preocupação", disse Renzo.

Assista à reportagem no Bora SP, da Band:

Loading...
Revisa el siguiente artículo