Previsão de vacina para 2020 'não é realista', diz OMS

Por Metro Jornal com Estadão Conteúdo

Em entrevista coletiva desta quarta-feira (22), representantes da Organização Mundial da Saúde (OMS) falaram sobre as recentes notícias sobre desenvolvimento de vacinas contra a covid-19.

O diretor do programa de emergências da entidade, Michael Ryan, afirmou que é necessário realismo quanto aos resultados das atuais candidatas para imunização contra o vírus.

LEIA MAIS:
EUA compra estoque completo de futura vacina da BioNTech, aprovada para testes no Brasil
São Paulo tem 439,4 mil casos de covid-19, com 20,5 mil mortes; veja balanço de quarta

Enquanto todas as vacinas que completaram as primeiras duas fases do desenvolvimento passaram, com sucesso, para a terceira fase – que mede a capacidade de gerar resposta imunológica -, precauções ainda são necessárias.

"Temos que ter certeza que elas são efetivas e isso leva um tempo. Estamos acelerando o máximo possível, mas não vamos, de forma alguma, pegar atalhos quando o assunto é segurança", afirmou.

Maria Van Kerkhove, que coordena a resposta da OMS à pandemia, completou que "a ideia de que teremos uma vacina em dois ou três meses e, de repente, esse vírus terá passado… Adoraria dizer isso a vocês, mas não é realista".

Para Kerkhove, não haverá vacinação geral até a primeira metade de 2021.

Outro fator a ser considerado, como levantou a entidade, é a distribuição da vacina. Segundo Mike Ryan, a OMS tem tentado assegurar que a produção terá escala o suficiente para expandir o acesso à vacina ao maior número possível de pessoas.

Enquanto isto não ocorre, Kerkhove ressalta que o melhor a se fazer para prevenir o maior espalhamento do vírus é utilizar máscaras, manter distanciamento físico, isolar casos suspeitos e confirmados da covid-19 e rastrear contatos para traçar o caminho percorrido pelo vírus.

Loading...
Revisa el siguiente artículo