Guarda ofendido por desembargador em Santos fala sobre reação da família ao vídeo

"A minha filha perguntou que eu fiz para ser tratado daquela forma", conta Cícero Hilário

Por Metro Jornal com Band.com.br

Em entrevista à rádio Band News FM nesta segunda-feira (20), o guarda municipal Cícero Hilário falou sobre o episódio em que foi destratado por um desembargador ao exigir seu uso de máscara facial de proteção.

O caso aconteceu na cidade de Santos, no litoral paulista, neste sábado (18). O vídeo viralizou no mesmo dia, e as imagens chegaram até a família de Cícero.

"O mais triste foi chegar em casa e ver minha esposa e minha filha, que assistiram às imagens, chateadas com aquilo. A minha filha perguntou que eu fiz para ser tratado daquela forma, e eu não sabia o que responder”.

LEIA MAIS:
Milton Ribeiro é o segundo ministro a ser diagnosticado com covid-19 nesta segunda-feira
Mais paulistanos ficaram sem moradia durante pandemia, diz Prefeitura

Ele, que nunca havia abordado o desembargador Eduardo Siqueira, conta que não esperava viver aquela situação. "Até pela formação dele, eu não esperava. Ele me chamou de analfabeto, perguntou se eu sabia ler”, recorda.

No entanto, outros colegas da Guarda Civil Municipal já haviam passado por situações semelhantes com Siqueira. Cícero conta que seu colega, que já havia encontrado o desembargador sem máscara antes, foi quem teve a ideia de filmar o encontro.

Confira o vídeo:

Embora surpreso e chateado com o que havia acontecido, Cícero conta que foi parabenizado pelo chefe da equipe por manter sua postura profissional, mesmo diante dos insultos do desembargador, que rasgou a multa na frente dos guardas.

O Conselho Nacional de Justiça vai investigar a conduta do desembargador. O corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, determinou a abertura de um “pedido de providências” para apurar a ação do magistrado.

Para o ministro, as imagens mostram uma “possível violação dos preceitos da Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman) e do Código de Ética da Magistratura”.

Loading...
Revisa el siguiente artículo