Covid-19 cresce em meio a reaberturas pelo mundo

Por Metro Jornal

Enquanto o mundo está gradualmente afrouxando medidas de distanciamento social implementadas durante a crise de saúde de covid-19, outros países experimentam uma segunda onda de contágios.

Desde o início deste mês, a Espanha registrou 3.444 mil novos pacientes de covid-19 em 13 comunidades autônomas, apenas algumas semanas depois que o país europeu retomou atividades econômicas e públicas. Nos Estados Unidos, cerca de 30 estados relataram um aumento significativo de infecções nas últimas semanas. Segundo a Universidade Johns Hopkins, o país chegou a registrar, ainda em julho, 53 mil casos diários para a doença – a maior alta desde o pico da pandemia.

Até a China, epicentro inicial do vírus Sars-Cov-2, e que retomou as atividades públicas no início de maio,  começou a registrar novos casos de covid-19 em meados de junho.

Desde o final de abril, a OMS (Organização Mundial da Saúde) alerta para possíveis surtos de covid-19 em virtude da flexibilização das medidas de isolamento. Na época, Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da entidade, disse que era “perigoso e mortal” que a quarentena fosse levantada apressadamente, pois poderia causar uma nova propagação da vírus e aumentar o número de mortos.

Especialistas concordam que surtos internacionais podem ser o resultado da reabertura prematura de atividades sociais em vários países. “Estamos vendo uma forte associação com a reabertura prematura e um aumento nas infecções. Depende realmente do nível do vírus circulante e do grau de reabertura”, explicou Susan Kirkland, professora de pesquisa universitária do Departamento de Saúde Comunitária da Universidade de Dalhousie, no Canadá.

Vale - Branded content - julho/2020

Apesar dos avisos, cada vez mais países decidem retomar atividades sociais e econômicas, mesmo que a pandemia ainda não esteja completamente contida.

Até o momento, os novos casos foram pontuais e regionais e, portanto, as autoridades conseguiram agir no controle de contágio, mas especialistas não descartam que a escala de contaminação possa aumentar ao longo do tempo.

“Existe uma possibilidade. Como se trata de um vírus novo, não podemos afirmar com absoluta certeza, mas é possível observar pandemias anteriores, como a gripe espanhola ou a H1N1. Sabemos sobre outros coronavírus [existem sete deles] e devemos procurar avaliar se há uma alta probabilidade de que isso aconteça”, acrescentou Kirkland.

Especialistas afirmam que o reaparecimento do vírus Sars-Cov-2 poderia ser o resultado de medidas equivocadas por parte dos governos, tais como a falta  de testes, rastreamento ou o relaxamento das medidas de distanciamento social com o foco em reabrir as economias.

Entrevista Kacey C. Ernst. Professora de epidemiologia infecciosa da Universidade de Arizona

Devemos esperar uma segunda onda de infecções de covid-19?

Isso é absolutamente uma possibilidade e novos casos já estão acontecendo. No sul dos Estados Unidos, os pacientes estão aumentando rapidamente. Onde moro, no Arizona, temos o triplo dos casos que tivemos há um mês. Muitos países tiveram bloqueios e toques de recolher decretados. À medida que aumentam, é essencial que a infraestrutura de saúde pública esteja disponível para testar, isolar, rastrear e colocar em quarentena cada indivíduo. É fundamental que as pessoas sigam o distanciamento físico, usem máscaras e sigam outras orientações básicas de saúde pública o tanto quanto possível. Requer vontade, ação política, recursos e participação da comunidade. O fracasso em qualquer uma dessas áreas pode levar a uma nova leva de casos.

O que pode causar um grande aumento no número de novos pacientes?

O tipo de resposta política. A resposta dos governos tem sido bastante variável: alguns investiram de forma rápida, agressiva e cedo e tiveram menor transmissão. Nova Zelândia, Vietnã e Hong Kong são jurisdições menores, o que certamente ajuda no controle também. Esse investimento e atenção exige um compromisso para mantê-los a longo prazo e tratar de novos casos quando eles surgirem. Outra causa é a falta de recursos. Custa uma quantia significativa de dinheiro para indivíduos e governos continuarem a combater uma pandemia em larga escala. O investimento para manter o controle é essencial, mas a falta de engajamento da comunidade pode ser outra causa. A maioria dos lugares parece estar fazendo isso [o distanciamento físico e o uso de máscaras, por exemplo] mas aqui nos EUA, e talvez em outros lugares, essas medidas básicas de saúde pública foram bastante politizadas, a ponto de as pessoas se confrontarem nas ruas. Isso não deveria ser uma controvérsia. Usar uma máscara permite que outras pessoas estejam livres para desempenhar funções básicas da vida, como ir à mercearia, ir às clínicas e ir à farmácia. Se as pessoas não aderem a este contrato social, isso prejudica a saúde de toda a comunidade. É doloroso que medidas simples de saúde pública estejam sendo usadas como armas políticas. A maré está virando aqui nos EUA à medida que mais e mais políticos aderem às recomendações de saúde pública, mas muitos danos já foram causados.

De que forma podemos evitar que a covid-19 se espalhe novamente?

É importante ter uma excelente coleta e análise de dados para formular estratégias de prevenção, incluindo fechamentos em resposta a surtos menores. Exige extrema vigilância e investimento em testes e rastreamento de contágios. Também é extremamente importante que as populações infectadas tenham o apoio do governo para que elas consigam se isolar e se manter em quarentena.

Loading...
Revisa el siguiente artículo