Marco Zero: projeto piloto de recuperação ambiental de Brumadinho

Por Conteúdo patrocinado*

Lançado pela Vale em janeiro de 2020, o projeto Marco Zero tem como objetivo reabilitar trecho do ribeirão Ferro-Carvão, o mais afetado pelo rompimento da barragem em Brumadinho, e restaurar a vegetação com plantas nativas da região, além de contribuir com a recuperação do rio Paraopeba. O projeto será concluído nos próximos meses e poderá ser replicado em todo vale do Ferro-Carvão até a barragem B1, quando o rejeito na região for totalmente removido.

O projeto vai da área da cortina de estacas metálicas, instalada próxima à nova ponte da estrada Alberto Flores, e segue por aproximadamente 400m no ribeirão Ferro-Carvão. Um dos primeiros desafios foi reconstruir a calha do ribeirão, considerando o seu traçado anterior ao rompimento.

O processo de restauração está acontecendo em três etapas. Na primeira, foi colocado solo vegetal fértil e semeadas as primeiras espécies. Na segunda etapa, foram plantadas mudas de árvores nativas da região já em médio porte e de crescimento rápido. Na terceira e última fase, está sendo feito o plantio de outras espécies nativas que vão enriquecer a vegetação local e aumentar a biodiversidade.

Vale - Branded content - julho/2020

Para executar o projeto, a empresa fez o inventário florestal da área, onde cada planta foi cadastrada, catalogada e etiquetada. Além disso, em conjunto com o Instituto Estadual de Florestas (IEF), a Vale também fez uma avaliação criteriosa das espécies atingidas.

Um dos compromissos que a Vale assumiu perante Brumadinho e a sociedade foi implantar soluções que não afetassem novas áreas no município, além das já impactadas pelo rompimento. A companhia montou uma equipe multidisciplinar com cerca de 60 pessoas e implantou um sistema de gestão da segurança, saúde e meio ambiente durante todo o projeto. Também foi adotado o modelo de construção enxuta, que minimiza os impactos durante e após as obras, permitindo, no futuro, o desenvolvimento sadio das espécies utilizadas na recuperação ambiental.

Obras emergenciais de contenção colaboraram para execução do Marco Zero

Uma das primeiras ações iniciadas em prol da recuperação ambiental foi a implantação de um conjunto de estruturas para contenção do rejeito. Ao longo do ribeirão Ferro-Carvão, a empresa construiu 25 pequenas barreiras e quatro grandes estruturas de contenção. Essas obras estão 100% concluídas e, desde maio de 2019, o rio Paraopeba não recebe mais sedimentos.

Como parte das obras emergenciais para reabilitação do Ferro-Carvão e do rio Paraopeba, foram construídas duas Estações de Tratamento de Água Fluvial (ETAFs). Até agora, mais de 10 bilhões de litros de água foram tratados nas estações e devolvidos ao rio Paraopeba. Uma outra ação importante é a dragagem dos rejeitos do trecho assoreado do rio. Por meio dessa ação, é possível remover o material sólido e drenar a água para uma das estações de tratamento, devolvendo-a limpa ao rio Paraopeba.

Monitoramento

Os moradores de Brumadinho e demais interessados podem acompanhar on-line o desempenho das estruturas de contenção de rejeito implantadas ao longo do Ferro-Carvão, das Estações de Tratamento de Água e da dragagem no rio Paraopeba. As ações de monitoramento são executadas 24 horas por dia, e os dados, como volume de chuvas e turbidez da água, podem ser checados no site da Vale. Essas informações são as mesmas repassadas diariamente às autoridades e órgãos competentes.


*Publieditorial patrocinado pela Vale

Loading...
Revisa el siguiente artículo