Ministro interino da Saúde é 'ruim de imprensa', mas 'excelente gestor', diz Bolsonaro

Por Metro Jornal com Estadão Conteúdo

Em entrevista coletiva a jornalistas em frente o Palácio do Alvorada nesta terça-feira (7), na qual anunciou seu próprio diagnóstico de covid-19, o presidente Jair Bolsonaro falou sobre o Ministério da Saúde, que já completa 53 dias sem um chefe titular.

Hoje, quem ocupa o cargo interinamente é o general Eduardo Pazuello, que substituiu Nelson Teich após pedido de demissão em 15 de maio.

LEIA MAIS:
Interior tem mais de 70% dos novos casos de coronavírus em SP
Diretor-geral da OMS deseja rápida recuperação a Jair Bolsonaro

Bolsonaro garantiu que o interino não terá estadia permanente no cargo, porém não deu previsão para a posse de um ministro titular. O ex-capitão deixou claro, entretanto, que aprova a gestão do discreto general Pazuello, que classificou como "ruim de imprensa", mas "excelente gestor".

"É um nome que não vai ficar para sempre, está completando três meses como interino e já deu uma excelente contribuição para nós", disse o presidente. Há semanas, o governo federal não dá indícios de que está buscando um ministro para substituir Pazuello.

Neste meio-tempo, o ministério da Educação também ficou vago, após demissão de Abraham Weintraub e duas tentativas falhas de recrutar substitutos; o economista Carlos Decotelli foi afastado após descoberta de fraudes em seu currículo, e o empresário Renato Feder, ex-Multilaser, negou a proposta para assumir a pasta.

Na mesma entrevista, Bolsonaro confirmou a sondagem do líder do governo na Câmara dos Deputados, Major Vitor Hugo (PSL), para assumir o cargo de Ministro da Educação.

Loading...
Revisa el siguiente artículo