Bolsonaro deveria ficar afastado por 14 dias, alerta infectologista

Por Metro Jornal com Band News FM

Em entrevista à BandNews FM, o médico infectologista Álvaro Furtado da Costa avaliou as possíveis consequências do diagnóstico de covid-19 anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro nesta terça-feira (7).

O integrante do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo analisa que a covid-19 é uma doença, do ponto de visto médico, espectral, ou seja, pode ter inúmeras apresentações clínicas em cada paciente.

LEIA MAIS:
EUA se retiram oficialmente da Organização Mundial da Saúde
Ministro interino da Saúde é ‘ruim de imprensa’, mas ‘excelente gestor’, diz Bolsonaro

Da Costa afirma que muitos pacientes não entram em uma fase mais crítica, porém, alguns, principalmente os dos grupos de risco, podem ter um comprometimento do pulmão.

Sobre a declaração de Bolsonaro, que afirma estar se tratando com hidroxicloroquina e azitromicina, o infectologista alerta que são necessárias evidências científicas para utilizar medicações.

O presidente afirmou ainda que ficará afastado por 7 dias, o que não é o recomendado, segundo Álvaro Furtado da Costa. Ele alerta que, geralmente, o paciente deve ficar isolado por 14 dias e não pode apresentar sintomas para retornar às atividades.

Loading...
Revisa el siguiente artículo