Governo diz que moradias do Minha Casa, Minha Vida foram 'tomadas pelo tráfico' e propõe novo nome

Por Metro Jornal com Rádio Bandeirantes

O governo vai reformular o “Minha Casa, Minha Vida” e dar o nome ao programa de “Casa Verde Amarela”. A expectativa é que o lançamento ocorra ainda este mês, segundo o ministro do Desenvolvimento Regional. Em entrevista exclusiva à Rádio Bandeirantes nesta segunda-feira (6), Rogério Marinho disse que as bases da nova política habitacional estão definidas.

Ele explicou que, primeiro, será lançado um programa para apoiar os municípios em programas de regularização fundiária. A ideia é dar escritura pública a pessoas que moram em áreas irregulares, desde que não sejam encostas, margens de rios ou pântanos. Rogério Marinho foi entrevistado na Rádio Bandeirantes por Thays Freitas, Claudio Humberto e Pedro Campos, no Jornal Gente.

LEIA MAIS:
RJ: Mulher de engenheiro civil que ofendeu fiscal em bar foi demitida
SP fará testes de vacina chinesa contra covid-19 em 9 mil profissionais da saúde

Quanto ao novo “Minha Casa, Minha Vida”, o ministro justificou que o programa já tem 16 anos e precisa ser reformulado. Um dos equívocos é, na avaliação dele, a construção de mais de 500 mil moradias em locais sem transporte e infraestrutura básica, como creche e hospital.

“Foram tomadas pelo tráfico. Isso não queremos repetir”, alega. Também segundo o ministro do Desenvolvimento Regional, é necessário ainda retomar a construção das milhares de unidades que estão paradas. “Deixar obra paralisada é desrespeitar o contribuinte brasileiro”.

No novo programa habitacional, o governo pretende reduzir taxas e custos da remuneração de agentes financeiros para permitir que mais famílias tenham acesso a crédito imobiliário.

“Especialmente no Norte e Nordeste para famílias com até R$ 3 mil de renda familiar e nas outras regiões até R$ 2 mil”, adiantou o ministro do Desenvolvimento Regional.

Confira a entrevista na íntegra a seguir:

Loading...
Revisa el siguiente artículo