Imperial College London também iniciou testes de vacina contra covid-19 no Brasil

Por Metro Jornal

Pouco após o início dos testes da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford, na Inglaterra, mais uma substância britânica começa a ser aplicada em voluntários brasileiros nesta terça-feira (23).

Desenvolvida pela universidade Imperial College London, referência em ciência e medicina, a vacina está em fase anterior à de Oxford, ainda na etapa de avaliação da segurança para os pacientes.

LEIA MAIS:
É muito difícil prever quando será o pico da pandemia no Brasil, diz OMS
Escolas de São Paulo vão retomar aulas presenciais no dia 8 de setembro; veja detalhes

Basicamente, a fase 1 define se a substância pode fazer mais mal do que bem aos voluntários, considerando seus efeitos colaterais. Já a segunda etapa verifica se a vacina, de fato, estimula a produção de anticorpos, detalhe essencial para a imunização.

A fase 3, na qual se encontra a vacina de Oxford, testa a eficácia da vacina contra o coronavírus, checando se seus receptores realmente ficam imunizados ao vírus.

O experimento da Imperial College começou a ser aplicado nos primeiros voluntários, e consiste em duas doses. Ele envolverá 15 voluntários entre 17 e 45 anos, que receberão dosagens cada vez maiores da vacina.

Caso o desenvolvimento progrida para a fase 2, 300 voluntários receberão duas aplicações da vacina num período de 4 semanas.

A universidade espera que a vacina tenha concluído todas as etapas do desenvolvimento e esteja pronta no primeiro semestre de 2021.

Saiba mais sobre os testes da outra vacina britânica testada no Brasil:

Loading...
Revisa el siguiente artículo