Crimes cibernéticos aumentam durante o isolamento social

Por Metro Jornal

O distanciamento social fez aumentarem os casos de golpes e fraudes cibernéticas aplicadas por meio das redes sociais. Segundo levantamento divulgado pela Apura,  especializada em segurança cibernética, WhatsApp, Zoom e YouTube são as plataformas do momento para os cibercriminosos.

No caso do WhatsApp  houve a exposição dos números privados para pesquisas por meio do buscador Google, facilitando, assim, a prática de cibercrimes.

A falha que proporcionou a divulgação não autorizada pelos usuários foi identificada principalmente com números do Brasil, EUA, Índia e Reino Unido. Durante o processo de pagamento do auxílio emergencial pela Caixa foram identificados vários links falsos que circularam pelo WhatsApp.

O distanciamento social fez aumentar o uso de chamadas de vídeo, e em um dos aplicativos mais utilizados – o Zoom – também foram encontradas vulnerabilidades. “Houve uma falha pela qual criminosos inseriram arquivos maliciosos, principalmente quando do compartilhamento pelos usuários na conversa de arquivos em GIFs [imagens com animações]”, disse Sandro Süffert, CEO da Apura.  “O arquivo malicioso foi enviado ‘disfarçado’ de GIF.”

No YouTube, outra plataforma popular e de grande audiência nestes tempos de confinamento, igualmente se verificaram ameaças. Três canais do YouTube – Juice TV, Right Human e MaximSakulevich – foram “sequestrados” por cibercriminosos, que mudaram o nome do canal para SpaceX Live ou SpaceX.

Nesse canal falso forjaram-se gravações ao vivo do empreendedor Elon Musk, em que se pede o envio de valores em bitcoins (dinheiro eletrônico), com a promessa de que o dobro será retornado. Notícias dão conta de que, em dois dias, os cibergolpistas conseguiram arrecadar US$ 150 mil.

Gangues

Os ataques são orquestrados por verdadeiras gangues cibernéticas, batizadas com nomes fantasia. A gangue de Ransomware REvil, por exemplo, recentemente roubou e pôs em leilão dados de uma série de empresas, com preço inicial de US$ 50 mil. Um outro grupo – DopplePaymer – atacou um prestador de serviço da Nasa.

Há ainda gangues de ransomware que ganham duplamente. Primeiro, fornecendo a chave para que a empresa possa fazer a “decriptação” dos arquivos invadidos. Depois, pela destruição definitiva dos dados capturados.

Parcerias entre gangues também não são incomuns, de acordo com a Apura. Segundo a empresa de segurança, a LockBit, por exemplo, se uniu à Maze Ransomware como “parceria” no vazamento de dados e no compartilhamento de inteligência para a condução de extorsões a usuários corporativos.  

Loading...
Revisa el siguiente artículo