Ministério Público faz buscas em Minas Gerais e tenta localizar esposa de Queiroz

Por Estadão Conteúdo

O Ministério Público de Minas Gerais realiza na manhã desta terça-feira (23), uma operação em conjunto com o Ministério Público do Rio de Janeiro para cumprir quatro mandados de busca e apreensão em Belo Horizonte no âmbito das investigações sobre "rachadinhas" no gabinete do senador Flávio Bolsonaro, à época em que era deputado estadual no Rio.

Segundo a Promotoria, a operação tem como objetivo localizar Márcia Oliveira Aguiar, esposa do ex-assessor parlamentar do filho "01" do presidente, Fabrício Queiroz.

Márcia é considerada foragida desde quinta-feira (18), quando foi deflagrada a Operação Anjo. A segunda ofensiva do MP-RJ nas apurações sobre as "rachadinhas" prendeu Queiroz em Atibaia (SP), em imóvel do ex-advogado de Flávio Bolsonaro, Frederick Wassef.

Veja também:
Cidade de São Paulo pode ter 1,2 milhão de infectados pelo coronavírus
MEC derruba portaria de Weintraub que afetou cotas na pós-graduação pública

As ordens de prisão preventiva de Queiroz e sua esposa foram expedidas pelo juiz Flávio Itabaiana de Oliveira Nicolau, da 27ª Vara Criminal da Capital. Com relação à Márcia, o magistrado considerou que ela teve "participação fundamental" nas manobras para embaraçar as investigações das "rachadinhas", que apuram crimes de peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro

Segundo Nicolau, era "inequívoco" que Márcia, em liberdade poderia obstaculizar a apuração dos fatos, além de agir sob as ordens de Queiroz. Em sua decisão, Nicolau escreveu que assim como o ex-assessor parlamentar do filho "01" do presidente Jair Bolsonaro, Márcia também estava se escondendo, recebendo auxílio de terceiro e ainda cogitava fugir caso tivesse ciência de que havia sido decretada sua prisão preventiva.

Loading...
Revisa el siguiente artículo