Cidades brasileiras voltam atrás na reabertura de comércios

Por Metro Jornal com Rádio Band News

O Brasil já registra recuos durante a reabertura econômica pós-quarentena. Cidades por todo o país que haviam implantado maior flexibilização nos comércios e outros estabelecimentos começam a voltar atrás nas medidas após registrar aumento no número de casos ou na taxa de ocupação de leitos hospitalares.

Em São Paulo, as cidades de Marília, Presidente Prudente e Ribeirão Preto tiveram que retroceder na flexibilização das atividades, voltando à chamada fase 1-Vermelha. Os municípios votlaram a fechar todo o comércio não essencial.

LEIA MAIS:
Durante pandemia, leitos encarecem e reclamações aumentam nos planos de saúde
São Bernardo quer testar todos os idosos e gestantes contra covid-19

Em Belo Horizonte, a terceira fase de reabertura das atividades comerciais deveria ser colocada em prática nesta segunda-feira, 22, mas foi adiada devido à alta na taxa de ocupação de leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

No Paraná, a prefeitura de Curitiba recuou, e a cidade passa para a bandeira laranja, que indica risco médio de contaminação. Academias esportivas, templos religiosos e igrejas curitibanas voltaram a ter sua operação suspensa.

Ainda, após decreto da Prefeitura, a capital gaúcha também foi obrigada a revisar a política anteriormente bastante liberal de reabertura de comércios. Em Porto Alegre, restaurantes poderão continuar abertos até as 17h, shoppings podem funcionar respeitando protocolos e salões de beleza têm limite de 30% de ocupação.

Fortaleza, no Ceará, se encontra na fase 1 de reabertura da economia, que prevê a abertura parcial de shoppings e centros comerciais. Mas na contramão da capital cearense, cinco cidades do interior do Estado seguem sob regime de lockdown.

Loading...
Revisa el siguiente artículo