MPF denuncia Sara Winter por injúria e ameaça contra Alexandre de Moraes

Por Metro Jornal com Estadão Conteúdo

A extremista Sara Giromini, conhecida como Sara Winter, foi denunciada pelo MPF (Ministério Público Federal) na terça-feira (16) por crimes de injúria e ameaça contra o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes. Líder do grupo bolsonarista "300 do Brasil", Sara foi presa preventivamente em Brasília (DF) com outras cinco pessoas, em investigação sobre atos antidemocráticos.

A acusação é assinada pelo procurador da República Frederick Lustosa e foi enviada à 15ª Vara de Justiça Federal. Segundo Lustosa, "não houve lesão real ou potencial dos bens protegidos pela norma". Para o procurador, a extremista "não impediu de fato o livre exercício da judicatura do ministro, nem da Suprema Corte de maneira geral."

Veja também:
Delegado confirma envolvimento de PMs na morte de Guilherme: ‘tiros de execução’
Alesp aprova projeto que prevê multa a quem divulgar notícia falsa sobre a covid-19

Se condenada, a extremista deverá pagar uma indenização ao ministro do STF de no mínimo R$ 10 mil por danos morais. A denúncia ocorre após uma série de eventos envolvendo Sara Winter, como um vídeo em que xinga o juiz e o chama para "trocar socos", dizendo que o perseguiria em sua residência em São Paulo, e o mais recente, quando participou de um ato que disparou fogos de artifício em direção ao prédio-sede do Supremo.

Em publicações na rede social Twitter, a assessoria de Sara Winter afirmou que "novidades" sobre o caso seriam reveladas nesta quarta-feira (17). Os advogados da extremista já solicitaram a sua soltura imediata.

Loading...
Revisa el siguiente artículo