Estudantes da rede pública tentam manter motivação para estudar à distância

4,8 milhões de estudantes de 9 a 17 anos não têm acesso a internet no Brasil, segundo pesquisa da Unicef

Por Band.com.br e BandNews FM

Mais de 27 milhões de alunos da rede pública no Brasil lutam, há meses, para manter firme a motivação para estudar. Entre elas, está Lorena Rodrigues Baptista, de 11 anos, que desde o início da quarentena tem aulas na frente do computador, mas confessa esse é um desafio que traz insegurança.

Mais complicada ainda é a rotina dos quase 4,8 milhões de estudantes de 9 a 17 anos que, segundo pesquisa da Unicef, não têm acesso a internet no Brasil. Eles dependem de canais de TV e emissoras de rádio para ter contato com algum tipo de conteúdo educacional.

Para a pedagoga e gestora de projetos no Instituto Ayrton Senna, Cynthia Sanches, com tantas barreiras e num ano atípico como este, não é justo reprovar alunos.

"Historicamente, o Brasil promove muita repetência. Pensar numa política de reprovação agora seria escancarar ainda mais as desigualdades e colocar todo o ônus do momento no estudante", analisa.

Veja também:
Sem controle, pandemia deve durar ‘muito mais tempo’ na América Latina, diz Opas
Famílias são removidas de terreno em ação de reintegração de posse na zona leste de São Paulo

Um levantamento do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa, da sigla em inglês) mostra que o Brasil é o segundo país no mundo em reprovação, atrás apenas da Colômbia. A consequência direta dessa política é a evasão, e o Brasil é medalha de bronze no mundo, com quase 30% dos alunos deixando as escolas.

"Reprovar pode ser o tiro de misericórdia na criança ou jovem que já está vivendo um nível de estresse elevado e que pode, aí, sim, se afastar de vez da escola", avalia o titular da cátedra Sérgio Henrique Ferreira da USP de Ribeirão Preto Mozart Neves Ramos.

Itália e Espanha não terão reprovação em 2020; outras nações vão estender o conteúdo deste ano para 2021, usando finais de semana, contra-turnos e turmas de reforço.

Tudo baseado em uma avaliação minuciosa, ainda mais necessária no Brasil, como comenta a consultora e doutora em educação pela PUC-RJ Andreia Ramal.

Loading...
Revisa el siguiente artículo