Bolsonaro vai vetar novas parcelas do auxílio emergencial se valor ficar acima de R$ 300

Presidente afirma que pagamento do valor atual, de R$ 600, resultaria em 'dívida cada vez mais impagável'

Por Metro Jornal

Em sua última transmissão semanal nas redes sociais, na quinta-feira (11), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que irá vetar a prorrogação do pagamento do auxílio emergencial por mais dois meses caso o valor da parcela fique acima de R$ 300. Este é o teto que o Ministério da Economia diz ser possível para o benefício.

“Na Câmara, vamos supor que chegue uma proposta de duas (parcelas) de R$ 300. Se a Câmara quiser passar para R$ 400, R$ 500, R$ 600, qual vai ser a decisão minha para que o Brasil não quebre? É o veto", afirmou. O presidente justifica a medida ao afirmar que o pagamento do valor atual, de R$ 600, resultaria em “uma dívida cada vez mais impagável.”

Veja também:
Mais de 13 mil crianças sofreram acidentes de trabalho graves em SP nos últimos 10 anos
São Paulo celebra Mês do Orgulho LGBTQIA+ com programação online

De acordo com Bolsonaro, o governo federal deve desembolsar R$ 150 bilhões com as três parcelas do auxílio emergencial já aprovadas. Entrariam na conta pagamentos atrasados de brasileiros que, segundo o presidente, estão na “malha fina” e não tiveram autorização inicial para receber o dinheiro.

“Não pode gastar mais R$ 100 bilhões, não tem como. Se fosse possível, gostaria de gastar", disse Bolsonaro ao negar a possibilidade de duas parcelas adicionais de R$ 600.

Loading...
Revisa el siguiente artículo