Após decisão judicial, ato pró-democracia em São Paulo vai pro largo da Batata

Manifestações estavam marcadas para a avenida Paulista, palco de protestos a favor de Jair Bolsonaro

Por Estadão Conteúdo

Após a decisão da Justiça estadual de proibir protesto antagônicos na avenida Paulista no próximo domingo, 7 grupos pró-democracia remarcaram seus atos para o Largo do Batata, no bairro de Pinheiros, zona oeste. Em comunicados sobre a mudança de local, os movimentos afirmaram que vão cumprir a determinação judicial, mas criticaram a "violação do direito à manifestação".

"Nós, torcedores articulados no Movimento Somos Democracia, ativistas do movimento negro e da Frente Povo Sem Medo entendemos que essa decisão atenta à liberdade de manifestação. Apesar disso, para garantia da integridade física dos manifestantes, comunicamos a decisão de mudança do local do ato em São Paulo para o Largo da Batata às 14h", diz uma nota conjunta dos movimentos Somos Democracia, Frente Povo Sem Medo e Ato Urgente SP – Vidas Negras Importam.

Veja também:
Vereador é preso no RJ em operação que investiga fraude na compra de respiradores
Brasil tira site com dados de covid-19 do ar e fala em ‘recontar mortes’

A nota ainda afirma que o grupo reforçou as medidas sanitárias para a realização do protesto, com a criação de uma brigada de saúde, para orientação dos manifestantes e ações como a distribuição de máscaras e álcool em gel. As entidades também garantem que vão respeitar um distanciamento social de pelo menos 1,5 m durante a manifestação. "Não vamos aceitar censura nem intimidação! Estaremos nas ruas em defesa da democracia, contra o fascismo e o racismo", conclui a nota.

Na sexta-feira, 5, a Justiça de São Paulo proibiu que grupos de apoiadores do presidente e opositores do governo se reúnam no mesmo horário em manifestações na avenida Paulista. A decisão atende ao pedido do Governo do Estado, que pediu o cancelamento dos atos para evitar confrontos.

No último domingo, 31, protestos que começaram pacíficos terminaram em tumulto, quando manifestantes favoráveis e contrários ao governo entraram em confronto. A Polícia Militar de São Paulo precisou intervir, mas integrantes de movimentos pró-democracia criticaram o uso desigual da força contra cada lado. O governador João Doria (PSDB) chegou a ir a público para dizer que os órgãos de Segurança Pública do Estado agiram para preservar a integridade física dos dois grupos e que não têm preferência política.

Loading...
Revisa el siguiente artículo