Viúva e filho de Pablo Escobar são levados julgamento na Argentina

Por Publimetro

A justiçada Argentina enviou a viúva e o filho do fundador do Cartel de Medellín, Pablo Escobar, a julgamento por seus supostos envolvimentos em um esquema de lavagem de dinheiro em benefício do narcotraficante colombiano José Piedrahita.

O juiz Néstor Barral encerrou nesta quinta-feira, 4 de junho, a investigação iniciada em 1º de setembro de 2016, ordenando a abertura de um julgamento contra María Isabel Santos e Juan Sebastián Marroquín, viúva e filho de Pablo Escobar.

A investigação começou como resultado de uma nota enviada pela Agência Antidrogas dos Estados Unidos (DEA) na Argentina à Promotoria Transandina, na qual alertou que uma organização criminosa dedicada ao tráfico de drogas na Colômbia tinha ligações com pessoas físicas e jurídicas instaladas no território Argentino.

A DEA indicou que o colombiano José Piedrahita era o líder da organização criminosa e que o empresário argentino Mateo Corvo era seu principal contato. Segundo o juiz Néstor Barral, a viúva e o filho de Pablo Escobar "deram uma contribuição essencial para a consecução dos objetivos criminais, unindo os interesses de José Piedrahita e Mateo Corvo".

Dessa forma, o argentino forneceu uma rede de negócios ao colombiano para lavar na Argentina o dinheiro do narcotráfico na Colômbia. Em troca de colocá-los em contato, a família de Escobar teria recebido uma comissão de 4,5% do que José Piedrahita investiu nas empresas Mateo Corvo até 15 de fevereiro de 2011, mais de US $ 100.000 com os quais eles teriam comprou uma casa e uma garagem.

"Pablo Escobar morreu há 25 anos e eu vivo em exílio na Argentina há 24 anos. Estou sem sua presença física há muito tempo, mas eles ainda me perseguem por seus atos", denunciou a viúva de Pablo Escobar em um comunicado de defesa.

Loading...
Revisa el siguiente artículo