Antes de reunião ministerial, Bolsonaro avisou Moro que trocaria comando da PF

Troca de mensagens mostram presidente confirmando saída de Valeixo para ex-ministro da Justiça no dia 22 de abril

Por Metro Jornal

Mensagens entre Jair Bolsonaro, e o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, horas antes da reunião ministerial do dia 22 de abril – cujo vídeo foi divulgado na sexta (22) – mostram que o presidente havia decidido exonerar Maurício Valeixo da direção-geral da PF (Polícia Federal).

Os diálogos foram obtidos pelo jornal “O Estado de S.Paulo” e fazem parte do inquérito que apura se Bolsonaro interferiu politicamente na PF – acusação feita por Moro em seu discurso final como ministro. Por volta das 6h20 do dia 22 de abril, o presidente diz: “Moro, o Valeixo sai essa semana. Isto está decidido. Você pode decidir apenas a forma. A pedido ou ex oficio.”

O ex-ministro, então, responde: "Presidente, sobre esse assunto precisamos conversar pessoalmente estou ah disposição para tanto. Amanhã temos reunião agendada para 0900. Se quiser, podemos antecipar para hoje, em qualquer horário (só não posso hoje das 12-1700 por videoconferência com ministros da justiça da América Latina e depois com secretários de segurança dos Estados – conto com sua compreensão sobre esses horários).”

Veja também:
Brasil registra 965 novas mortes por coronavírus; veja balanço de sábado
Previsão do tempo: São Paulo terá domingo frio e com ventania

VALE BANNER 1500x1250

Dois dias depois da troca de mensagens, a exoneração de Valeixo foi publicada no Diário Oficial da União. Horas depois, Sergio Moro convocou uma coletiva para anunciar sua saída do governo, acusando Bolsonaro de interferir politicamente na PF.

Em diversas ocasiões, Bolsonaro afirmou que Maurício Valeixo teria pedido demissão – a mensagem, portanto, mostra que essa decisão unilateral partiu do presidente da República. Essa versão foi repetida na sexta-feira (22), após a divulgação do vídeo da reunião pelo STF.

Já o ex-diretor-geral nega ter formalizado um pedido de demissão e que, um dia antes da exoneração, foi questionado por Bolsonaro se a demissão poderia sair “a pedido”. Valeixo disse ter concordado por falta de alternativas.

Loading...
Revisa el siguiente artículo