Pesquisa busca desenvolver teste rápido para covid-19 usando saliva

Por Metro Jornal

Desde a chegada da covid-19 – doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2) – no Brasil, o país fez apenas 482.743 testes moleculares para a infecção. O número representa 2% dos 24 milhões dos exames que o governo federal prometeu para enfrentar a pandemia.

Para efeito de comparação, em Wuhan, na China, onde a doença se originou, o governo encomendou mais 11 milhões de testes nesta semana após menos de 20 novas confirmações de pacientes com covid-19.

Veja também:
Motoristas têm dificuldades para conseguir isenção do rodízio em São Paulo
Prefeitura de SP solicita mais 100 leitos da rede privada para pacientes do SUS

Em São Carlos, no interior de São Paulo, pesquisadores da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos) estão desenvolvendo um teste rápido diferenciado para o diagnóstico do novo coronavírus. O aparelho usa um sensor eletroquímico para detectar sequências do genoma do vírus em uma amostra de saliva do paciente.

“Nosso objetivo é desenvolver uma metodologia simples e de baixo custo para o diagnóstico de covid-19. A plataforma de testes descartável fará uso de materiais de fácil acesso e equipamentos simples e também permitirá a análise de diferentes amostras simultaneamente”, diz o pesquisador Ronaldo Censi Faria.

Segundo ele, o dispositivo conta com quatro regiões sensoras que serão programadas para identificar pedaços do RNA do vírus. Uma reação entre o sensor e esse RNA provoca a emissão de luz, o que indicaria a infecção pelo coronavírus. O projeto tem o apoio da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo).

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo