São Paulo tem 283 comércios interditados por furar quarentena

Por Metro Jornal

A cidade de São Paulo está em quarentena desde o dia 24 de março, mas isso não impede que lojas e prestadores de serviços furem a determinação e abram seus negócios. De acordo com a prefeitura, até segunda-feira (4) foram interditados 283 estabelecimentos que não cumpriram o decreto de fechamento do comércio não essencial.

As regiões com mais negócios flagrados operando ilegalmente são a Sé, no centro, com 112 ocorrências, Aricanduva, na zona leste, com 34 ocorrências, e Santo Amaro, na zona sul, com 22 ocorrências. Em caso de reincidência, os comércios interditados podem perder o alvará de funcionamento.

Veja também:
Rede Nossa SP: 64% perderam renda com a pandemia na capital paulista
Medo do coronavírus afasta público de hospitais e interrompe tratamentos

A Prefeitura de São Paulo afirma que 2 mil agentes foram designados para fiscalizar o comércio e garantir que serviços não essenciais estejam fechados durante o período de quarentena. Os negócios que respeitarem a ordem de interdição poderão reabrir ao fim da quarentena.

O decreto atual vai até o dia 10 de maio, mas o prefeito Bruno Covas (PSDB) já confirmou que as medidas devem continuar, já as taxas de isolamento social diminuíram e o número de casos aumentou. A capital paulista tem 20.848 casos confirmados e 1.775 óbitos. Outras 2.142 mortes aguardam testes.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo