USP e Unifesp iniciam pesquisa para estimar população imune ao coronavírus

Por Estadão Conteúdo

Cientistas da USP (Universidade de São Paulo) e da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) iniciam nesta quinta-feira (30) uma pesquisa com o objetivo de estimar a porcentagem dos moradores de seis bairros na capital paulista que já tiveram contato com o coronavírus e desenvolveram anticorpos. Essas pessoas devem ser resistentes ao vírus e provavelmente não vão desenvolver a doença novamente.

O projeto-piloto vai entrevistar e coletar sangue dos moradores de três bairros com maior número de casos confirmados (Morumbi, Bela Vista e Jardim Paulista) e também dos três com mais óbitos (Pari, Belém e Água Rasa). A escolha representa uma readequação da linha inicial da pesquisa às regiões mais sensíveis ao vírus. O plano inicial era investigar locais com maior número de casos.

Veja também:
Quarentena na cidade de São Paulo deve ficar mais rígida, diz secretário
São Paulo tem a manhã com maior índice de congestionamento registrado na quarentena

O projeto é fruto de uma parceria das universidades com a iniciativa privada. Os questionários serão aplicados pelo Ibope Inteligência e as coletas ficam sob a responsabilidade do Grupo Fleury. Ao todo, serão sorteadas 720 residências. Em cada casa, um morador maior de idade será sorteado. Os outros moradores da residência, se desejarem, também poderão ser analisados.

Se aceitarem participar, as pessoas vão preencher um questionário e doar um pouco de sangue venoso, como em um laboratório. No fim do estudo, os analisados receberão o resultado do exame pelo correio e saberão se estão ou não imunes.

Loading...
Revisa el siguiente artículo