Álcool alterado para 'curar' Covid-19 mata mais de 700 no Irã

Por Ansa

Ao menos 728 pessoas morreram no Irã após consumirem uma bebida alcoólica adulterada que curaria do novo coronavírus (Sars-CoV-2), informou o conselheiro do Ministério da Saúde do país, Hossein Hassanian.

Segundo o representante, 203 pessoas morreram fora dos hospitais, o que elevou o número oficial de 525 vítimas, anunciado na última semana. Há ainda mais de cinco mil pessoas internadas com a intoxicação.

As mortes foram registradas entre 20 de fevereiro e 7 de abril deste ano, no ápice da pandemia de Covid-19. No ano passado, no mesmo período, foram 66 mortes por esse tipo de consumo.

De acordo com as autoridades, a bebida contém metanol, que é um álcool extremamente tóxico para os seres humanos. A venda de bebidas alcoólicas está vetada por todo o território, mas o governo vem recebendo inúmeras denúncias de episódios de contrabando.

Até esta quarta-feira (29), o Irã contabiliza 93.657 pessoas infectadas pelo novo coronavírus e registra 5.957 mortes pela nova doença. A nação é uma das 10 mais afetadas pela pandemia, de acordo com os dados do Centro Universitário Johns Hopkins.

Loading...
Revisa el siguiente artículo