Grupo de mulheres ligado ao MST ocupa e depreda prédio da pasta da Agricultura

Por Estadão Conteúdo

Um grupo de mulheres ligado ao (MST) Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra ocupou e depredou, na manhã desta segunda-feira (9) a entrada e o saguão do Ministério da Agricultura, em Brasília.

Segundo o MST, 3.500 pessoas de 24 Estados estiveram no protesto, na "Jornada Nacional de Lutas das Mulheres Sem Terra", que chegou a fechar parte da pista da Esplanada dos Ministérios e impediu o acesso de funcionários da pasta.

protesto mst Reprodução/Twitter

Paredes, o chão e o elevador do térreo do Ministério da Agricultura foram pichados e embalagens de agrotóxicos e tinta vermelha simulando sangue foram jogadas no saguão do órgão.

Veja também:
Um ano após massacre, escola Raul Brasil, em Suzano, será reaberta em abril
100 dias de Paraisópolis: Moradores fazem protesto e pedem justiça pelas vítimas

Além da regulamentação da distribuição de títulos de propriedades rurais e outras políticas fundiárias, a pauta do protesto de hoje incluiu "cortes nos investimentos públicos; e a liberação desenfreada de agrotóxicos pelo governo Bolsonaro", informou o MST.

A assessoria do ministério informou que aguarda um relatório do setor responsável para avaliar os eventuais prejuízos. Segundo funcionários da pasta, a portaria ficou fechada por 45 minutos, o que impediu o acesso de servidores pela manhã.

Elevadores foram desligados por precaução e, por volta das 10 horas, com a dispersão após o protesto, a situação se normalizou

Loading...
Revisa el siguiente artículo