Sem monotrilho, governo de São Paulo diz que vai processar empresa

Por Metro com Band

O monotrilho da linha 15-Prata do Metrô, na zona leste, entra nesta semana da mesma forma que começou e terminou a semana passada: paralisado e sem previsão de voltar a funcionar.

Nesta segunda-feira (9), por mais um dia, a SPTrans (São Paulo Transporte) vai colocar à disposição dos passageiros ônibus da frota emergencial para garantir o deslocamento entre as estações São Mateus e Vila Prudente.

Os problemas começaram no último dia 27, depois que o pneu de uma composição do monotrilho se rompeu. Dois dias depois, a linha foi totalmente interditada pelo Metrô. Para melhor investigar o acidente, a empresa fornecedora dos veículos, a canadense Bombardier, pediu que todos os trens fossem retirados de circulação para inspeção.

No último fim de semana foram realizados testes na linha. Segundo a Secretaria de Transportes Metropolitanos, os resultados serão enviados para a Bombardier, que deve produzir um laudo.

Por enquanto, ainda não há previsão de quando o documento deve ser entregue  nem da retomada das operações da linha 15.

O governo de São Paulo anunciou na última sexta-feira que vai processar o consórcio responsável pela linha 15-Prata e cobrar os prejuízos acarretados pela paralisação total do monotrilho – estimados em R$ 1 milhão por dia.

Também na sexta, o TCE (Tribunal de Contas do Estado) determinou que técnicos fiscalizem a linha.

Salvo efeito imprevisível, a situação aponta para uma eventual deficiência na manutenção dos trens ou na reposição das peças necessárias”, escreveu o conselheiro Renato Martins Costa em seu despacho.  

Loading...
Revisa el siguiente artículo