Poluição do ar causa 4,5 milhões de mortes prematuras por ano, diz ONG

Greenpeace apontou que prejuízo econômico chega a USS 2,9 trilhões

Por Metro Jornal

Um relatório divulgado nesta quarta-feira (12) pela ONG Greenpeace apontou que a poluição atmosférica causa anualmente cerca de 4,5 milhões de mortes prematuras e um dano econômico de US$ 2,9 trilhões, o equivalente a 3,3% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial.

O estudo foi elaborado pelo Greenpeace e o Centro de Pesquisa em Energia e Ar Limpo (Crea). Ele tem como objetivo avaliar o custo global da poluição do ar relacionada aos combustíveis fósseis. O relatório mostrou que na Itália, a poluição ocasiona por ano cerca de 56 mil mortes e custa US$ 61 bilhões aos cofres do país.

Além dos danos econômicos, o estudo revelou que cerca de 40 mil crianças com menos de 5 anos de idade morrem anualmente devido à exposição a partículas soltadas pela combustão de combustíveis fósseis.

Veja também:
Coronavírus: Covid-19 tem subida exponencial de mortes e casos; entenda
Mananciais em São Paulo recuperam volume com fortes chuvas de fevereiro

Segundo Minwoo Son, da campanha "Ar limpo" do Greenpeace, a poluição do ar "ameaça nossa saúde e nossa economia, causando milhões de mortes prematuras a cada ano e aumentando o risco de ataque cardíaco, câncer de pulmão e asma, com um custo econômico de milhares de bilhões de dólares".

Entre as soluções para o problema, o ativista indica que "uma atitude de destaque é a transição para energias renováveis e o abandono de carros com motores de combustão interna".

"Também é necessária uma mudança de paradigma contemporânea da mobilidade, com foco em transportes e formas de mobilidade públicas menos impactantes.Temos que considerar o custo real dos combustíveis fósseis, não apenas por causa do rápido agravamento da emergência climática", explicou o ativista.

Loading...
Revisa el siguiente artículo