Bolsonaro demite presidente do INSS

Por Metro Jornal com Estadão Conteúdo

O presidente do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Renato Vieira, foi demitido do posto nesta terça-feira (28).  A saída de Vieira foi anunciada por Rogério Marinho, secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia. O contexto da decisão é uma série de atrasos na liberação de benefícios previdenciários.

LEIA MAIS:
Enem 2020: Justiça autoriza divulgação do resultado do Sisu
Mortes pela chuva em Minas Gerais sobem para 50

Quem assume a presidência do órgão é Leonardo Rolim, atual secretário de Previdência, anteriormente ocupando cargo inferior a Marinho.

Problemas
Atualmente, 1,3 milhão de solicitações de benefício estão sem análise há mais de 45 dias, prazo legal para que o INSS dê uma resposta. Ao todo, o órgão tem 1,9 milhão de processos acumulados, incluindo os que ainda estão dentro do cronograma.

As novas medidas vêm depois de o Tribunal de Contas da União (TCU) sinalizar que barraria a primeira alternativa anunciada pelo governo há duas semanas, que era a contratação de até 7 mil militares da reserva das Forças Armadas para auxiliar no atendimento nas agências do INSS. Com o reforço dos militares, a ideia era liberar servidores do órgão para reforçar a análise dos benefícios.

O TCU e o Ministério Público junto à corte de contas alertaram a equipe econômica de que restringir a possibilidade de contratação aos militares criaria uma espécie de "reserva de mercado". Marinho esteve no Tribunal para discutir alternativas e evitar problemas com a corte num tema que desde o início do ano tem colocado o governo sob pressão.

Mesmo com as novas ações anunciadas hoje, a possibilidade de contratar os militares permanece, uma vez que o governo já editou um decreto regulamentando essa medida. Segundo ele, a expectativa é que ao todo sejam contratados até 7 mil pessoas, entre militares e civis.

Marinho afirmou que, dos quase 7 mil servidores do INSS que se aposentaram no ano passado, cerca de 1,5 mil eram concessores de benefício e poderiam trabalhar na análise dos pedidos. Não haverá convocatória, mas sim um edital de seleção para interessados.

No caso dos militares, a lei prevê que eles recebam um adicional de 30% sobre a remuneração, pago pelo próprio órgão demandante INSS. A secretaria estimou inicialmente um custo de R$ 14,5 milhões ao mês durante nove meses com a admissão dos militares inativos – ao todo, um gasto de R$ 130,5 milhões.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo