Assim foi o último eclipse solar anular, o ‘anel de fogo’ de 2019

Por Metro Jornal

Milhares de pessoas puderam observar na quinta-feira (26) um eclipse solar anular — também conhecido como “anel de fogo” por causa do círculo de luz que gera —, em vários países asiáticos, como Índia, Sri Lanka, Cingapura, Indonésia e Filipinas.

De acordo com a NASA, o fenômeno começou às 02:32 GMT na Arábia Saudita e foi deslocado pelo Mar Arábico, Índia, Sri Lanka, Oceano Índico, Indonésia e em direção ao Pacífico, onde terminou às 08: 02 GMT.

AP AP

As nuvens arruinaram a experiência de alguns, como o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi. “Como muitos indianos, fiquei empolgado com o #eclipsesolar2019. Infelizmente, não consegui ver o Sol devido a uma nuvem que o cobria, embora pudesse ver o eclipse em Kozhikode pela internet”, twittou Modi.

 

Os perigos de ver o “anel de fogo”

A Sociedade Astronômica de Cingapura observou em seu site que o eclipse solar anular, que pode causar cegueira se observado sem filtros, será visto novamente na cidade-estado em 2063.

AP AP

“Hoje foi um dia superespecial, quando pudemos ver um eclipse solar que escureceu o céu por dois minutos”, escreveu um usuário do Twitter de Cingapura. “Para ver outro, teremos que esperar 44 anos. Temos muita sorte.”

Esse tipo de eclipse ocorre a cada um ou dois anos, mas são visíveis apenas a partir de uma estreita faixa da Terra.

Em 2019, houve dois outros eclipses, um do tipo parcial, em 6 de janeiro, que pôde ser observado no leste da Ásia e no Pacífico Norte; e outro total em 2 de julho, visível na América do Sul.

 

Fonte: Publimetro México

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo